População da Dominica "perdeu tudo o que podia ter perdido"

Os habitantes da Dominica "perderam tudo o que podiam ter perdido" após a passagem do furacão Maria, disse hoje o primeiro-ministro daquela ilha das Caraíbas, Roosevelt Skerrit.

"Os ventos arrancaram os telhados [das habitações] de quase todas as pessoas com quem falei ou estive em contacto", escreveu Skerrit na sua página de Facebook, lançando um apelo a "todo o tipo de ajuda".

O governante manifestou receio de que a manhã trouxesse notícias de ferimentos graves e vítimas mortais devido à ocorrência de deslizamentos de terras provocados pelas chuvas torrenciais. Roosevelt Skerrit admitiu que o telhado da sua residência oficial foi um dos primeiros a voar.

O olho do furacão Maria tocou hoje terra na ilha francesa de Dominica, nas Antilhas Menores, com ventos máximos de até 260 quilómetros por hora, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

O furacão Maria atingiu a intensidade máxima, numa escala de 5, na noite de segunda-feira.

"Maria tornou-se um furacão de categoria cinco potencialmente catastrófico" e os seus ventos "aproximam-se de Dominica", informou o Centro Nacional de Furacões (NHC) no seu boletim de previsões emitido hoje pela 01:00, hora de Lisboa.

Antes já tinham sido emitidos avisos de furacão em Porto Rico, Guadalupe, Dominica, St. Kitts, Nevis, Montserrat e Martinica.

As autoridades da região francesa de Guadalupe ordenaram a evacuação das zonas de risco.

O Presidente EUA declarou estado de emergência em Porto Rico e Ilhas Virgens antes da passagem do furacão Maria

"Esta ação vai ajudar a aliviar o sofrimento e as dificuldades que a situação pode trazer à população local e fornece a assistência apropriada para adotar as medidas necessárias de emergência", indicou a ordem assinada por Trump.

A FEMA está autorizada a "identificar, mobilizar e proporcionar sob o seu critério, equipas e recursos necessários para aliviar o impacto" da passagem do furacão.

O furacão está entretanto a enfraquecer, tendo descido esta manhã (hora de Lisboa) da categoria 5 para a 4, sendo ainda é "extremamente perigoso", segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.