Polónia quer imitar Hungria e criar campos para imigrantes

Governo defende que medida só será aplicada numa emergência e que a sua política tem evitado atentados terroristas

A Polónia está a trabalhar na elaboração de um projeto de lei que permita deter candidatos a asilo em campos fronteiriços, anunciou ontem o ministro do Interior polaco, defendendo que tal política teve bons resultados na Hungria, apesar das críticas feitas pela Nações Unidas.
Hungria, Polónia e outros Estados membros da Europa de Leste são contra o plano da Comissão Europeia de distribuir imigrantes oriundos de África e do Médio Oriente pelo bloco, o chamado sistema de quotas. Mas ao contrário da Hungria, a Polónia - um país que, no ano passado, emitiu mais de um milhão de autorizações de trabalho para os vizinhos da Ucrânia - não viu milhares de migrantes e refugiados tentarem atravessar as suas fronteiras.
"A minha função é garantir a segurança dos polacos. Temos de estar preparados para este cenário mau, que espero que não venha a acontecer", declarou Mariusz Blaszczak na televisão estatal. "O cenário mau é uma onda de imigração que varra toda a Polónia", prosseguiu. Questionado pela Rádio Zet se colocaria migrantes em campos feitos de contentores e rodeados por arame farpado, Blaszczak respondeu: "Esta é uma ideia para uma situação de emergência que funcionou bem na Hungria".
A Hungria, um dos países mais afetados pela crise migratória de 2015, aprovou em março uma lei que prevê a detenção de migrantes em campos fronteiriços, medida que a ONU disse violar as leis comunitárias.
O ministro do Interior reiterou ainda que aceitar no país migrantes no âmbito do sistema de quotas poderá trazer riscos de segurança. "Não há atentados terroristas na Polónia porque a Polónia deixou cair uma medida aprovada pelo governo anterior de aceitar milhares de migrantes chamados refugiados", afirmou Blaszczak.
O plano de relocalização de imigrantes foi decidido pelos líderes da União Europeia em setembro de 2015, apesar do voto contra de Hungria, República Checa, Eslováquia e Roménia. O anterior governo da Polónia, liderado por Ewa Kopacz do liberal Plataforma Cívica (o partido do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk), votou ao lado da maioria dos 28, apesar de se opor à medida.
Um relatório da Comissão Europeia divulgado na quarta-feira refere que a Hungria e a Polónia "continuam a recusar-se a participar no regime de recolocação", sendo os dois únicos países do bloco que, até agora, não receberam um único migrante vindo de campos em Itália ou Grécia.
Uma fonte diplomática comunitária disse este mês ao The Times que se o Tribunal de Justiça da UE considerar legal plano de quotas, a Polónia poderá enfrentar consequências políticas e financeiras. "Não vejo como será possível punir a Polónia pois a questão da migração não está ligada a fundos estruturais", respondeu o líder da diplomacia polaca, Witold Waszczykowski.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.