Político independentista 'mata' rivais em anúncio de campanha

Vídeo eleitoral que Bob Kattter diz ser "brilhante e muito engraçado", surge dias após o massacre de Orlando, na Flórida.

Bob Katter, que se opõe à venda de terras e ativos da Austrália a interesses estrangeiros, surge num anúncio de campanha eleitoral a matar os adversários políticos.

O líder do Partido Australiano, segundo noticia a BBC, qualifica como "brilhante e muito engraçado" um vídeo em que surge - num ambiente do faroeste norte-americano - a soprar o fumo do revolver usado contra os rivais do Partido Trabalhista e da coligação Nacional-Liberal que tinham colocado um cartaz a dizer "Austrália à venda".

"Penso que a maioria das pessoas apreciará o humor. Penso que foi muito divertido, tenho de admitir", disse Bob Katter. "O que não tem graça é a venda deste país. Odiamos isso e opomo-nos tenazmente a isso", acrescentou o político de 71 anos.

[vídeo:W95RHO6]

O político independentista rejeitou as críticas à divulgação do anúncio pouco depois do massacre numa discoteca de Orlando, Flórida, argumentando desconhecer o caso e haver anúncios semelhantes que não provocaram controvérsia.

Os adversários é que não acharam piada: o primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, pediu a Bob Katter a suspensão do anúncio que qualificou como de "muito mau gosto", enquanto o ministro das Finanças considerou-o "infeliz" e o senador Barry O'Sullivan "detestável".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.