Lusodescendente treina mulheres candidatas a eleições nos Estados Unidos

Sofia Pereira, de 31 anos, foi reeleita em 2018 para o conselho da cidade de Arcata, Califórnia, e já orientou a carreira política de mais de 100 mulheres

No ano em que o Congresso norte-americano atingiu o recorde de 127 eleitas, a política luso-descendente Sofia Pereira tem em curso um plano de treino para aumentar o número de mulheres candidatas a cargos públicos.

Reeleita em 2018 para o conselho da cidade de Arcata, no norte da Califórnia, Sofia Pereira já treinou cerca de 100 mulheres, focando-se "nos primeiros estágios de planeamento" e apoio na candidatura, "porque é uma jornada extenuante e ter alguém que serve como conselheiro e está focado no seu sucesso individual é muito importante", disse à Lusa a autarca californiana.

Depois de trabalhar com a organização She Should Run, que se dedica a apoiar candidaturas no feminino, a lusodescendente está agora a fazer coaching individual.

A iniciativa foi desencadeada pelas eleições presidenciais de 2016 e a vitória de Donald Trump contra Hillary Clinton, momento que constituiu "um ponto de viragem" para a autarca de 31 anos.

"Trabalho com políticas públicas há muitos anos e quando vi as eleições de 2016 pensei: como é que podemos garantir que estamos a dar poder às mulheres para se envolverem no processo político?", explicou.

Além da She Should Run, há outras organizações a fazerem "este trabalho muito importante de trazer as mulheres para o processo político", adiantou Sofia Pereira, nomeando a Emerge California e a The Women's Campaign School na Universidade de Yale, onde a própria se graduou em 2014.

"Um aspeto crítico é perceber que tipo de cargo fará mais sentido para a mulher, tendo em conta o estado da sua carreira e o impacto que quer ter na sua comunidade", afirmou, referindo que treina candidatas para todo o tipo de cargos, desde distritos escolares e conselhos de cidade a distritos de gestão de água e conservação. "Há muito provavelmente um cargo por aí que assenta bem com base na experiência e conhecimento que a mulher tem", disse.

Na cidade de Arcata, o cargo de mayor [o equivalente a presidente da Câmara Municipal] é escolhido entre os membros do conselho, sendo que Sofia Pereira ocupou a posição em 2018 com decisão por unanimidade dos outros membros.

O treino de mulheres candidatas é "um compromisso pessoal" da autarca, "independentemente" das suas ambições políticas, com o objetivo de "garantir que estamos a trazer outras mulheres para este processo".

O seu percurso político começou com trabalho em campanhas "para ajudar a eleger pessoas em quem acreditava", evoluindo depois para a ambição de "servir como responsável eleita" e na sua comunidade e "ser capaz de trabalhar em todas as diferentes questões com uma visão abrangente".

Em Arcata, cidade onde a média de idades da população é mais baixa que no resto da Califórnia devido à importância da Universidade Estadual de Humboldt, uma das prioridades de Sofia Pereira é trabalhar no "desenvolvimento de habitação com preços acessíveis" para combater o aumento do número de pessoas sem-abrigo.

"Há uma crise de habitação em toda a Califórnia e nesta cidade universitária sentimos o problema", afirmou, explicando que "há estudantes universitários que dormem no carro ou acampam nos bosques".

Outro ponto importante para a autarca da cidade costeira é a subida do nível do mar, um problema que exige planeamento "para que dentro de 30 ou 40 anos tenham sido tomadas as decisões certas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?