Espanha e Marrocos detêm quatro alegados terroristas do Estado Islâmico

As detenções tiveram lugar em Figueres e Parla, em Espanha e em Tanger, Marrocos, segundo o Ministério da Administração Interna espanhol

Uma operação conjunta das polícias espanhola e marroquina permitiu hoje a detenção de quatro suspeitos de pertencerem à organização terrorista Estado Islâmico e considerados uma ameaça devido ao seu estado avançado de radicalização.

O Ministério da Administração Interna espanhol informa em nota de imprensa que as detenções tiveram lugar em Figueres e Parla (Espanha) e Tanger (Marrocos).

De acordo com essa nota, o detido em Marrocos "é um perigoso e conhecido" membro do Daesh [acrónimo em árabe do Estado Islâmico] que chegou a criar mais de 300 perfis falsos nas redes sociais, enquanto os dois detidos em Figueres (irmãos de origem marroquina de 30 e 31 anos) dedicavam-se a gerir uma rede complexa de comunicação para potenciar a propaganda da organização 'jihadista'.

O quarto detido em Parla (arredores de Madrid) é um cidadão marroquino nacionalizado espanhol, de 44 anos, que, segundo a polícia, estava em avançado processo de radicalização e já tinha tentado captar cúmplices para levar a cabo atentados terroristas.

O Ministério da Administração Interna espanhol informou que desde o início de 2015 as forças e corpos de segurança do Estado já detiveram 262 'jihadistas' em operações realizadas em Espanha e fora do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.