Polícia recebe ajuda inesperada. ISIS identifica dois atacantes de Paris

Última edição da Dabiq, a revista online em inglês dos jihadistas, dedica penúltima página aos nove homens.

O ISIS revelou que dois dos militantes envolvidos nos ataques de 13 de novembro em Paris são iraquianos, numa homenagem aos atacantes na última edição da Dabiq, a revista oficial, online e em inglês. Okasha al Iraqui e Ali al Iraqui (nomes de guerra) foram os responsáveis pelos ataques junto ao Stade de France enquanto decorria um jogo amigável entre França e Alemanha. As imagens dos dois homens correspondem às que que foram publicadas pela investigação policial francesa, que tinha pedido ajuda para os identificar.

A única pista das autoridades eram dois passaportes sírios encontrados no local do incidente, no entanto os investigadores duvidaram imediatamente da veracidade dos documentos.

A montagem fotográfica da penúltima página, com o título "Apenas Terror", inclui todos os jihadistas que levaram a cabo os ataques na capital francesa. Entre eles está Abdelhamid Abaaud, considerado pelas autoridades como o mentor da operação e também Chakib Akruh o jovem belga de origem marroquina que foi morto na rusga feita pela polícia a um apartamento em Saint-Dennis. Ausente da imagem está Salah Abdeslam, em fuga desde o dia dos ataques.

O ataque de Paris dividiu-se entre três locais diferentes: o Stade de France, restaurantes e cafés e a sala de espetáculos Bataclan. Foram mortas 132 pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.