Homem em protesto por falta de comida foi morto pela polícia

Caso denunciado pelas redes sociais

As forças de segurança venezuelanas mataram hoje a tiro um homem que protestava contra a falta de bens alimentares, denunciou na rede social Twitter o deputado da oposição Omar Gonzále

O incidente ocorreu em Barcelona, no Estado de Anzoátegui, 330 quilómetros a leste de Caracas, quando a vítima, de 48 anos, protestava contra a falta das chamadas bolsas CLAP, constituídas por cabazes com alimentos subsidiados pelo Estado.

"Com um tiro na cara agentes da polícia mataram um trabalhador que protestava, em Barcelona (Estado de Anzoátegui) porque não chegam as bolsas CLAP à sua comunidade", denunciou Omar González, que identificou a vítima como sendo Carlos Guarimata.

"Indignação nos bairros da zona sul de Barcelona, Anzoátegui, pelo assassinato de trabalhador que protestava por estar a morrer de fome", escreveu o deputado da oposição.

Entretanto, também através do Twitter, vários urilizadores divulgaram fotos de estradas que foram bloqueadas ao trânsito e em que era possível ver objetos a arder e longas filas de viaturas impedidas de avançar.

Na Venezuela são cada vez mais frequentes as queixas da população sobre dificuldades para conseguir produtos básicos e medicamentos.

As queixas incidem também sobre os elevados preços de alguns produtos nos estabelecimentos comerciais, que são importados usando o dólar paralelo como referência, dado que desde 2003 vigora um sistema de controlo cambial que impede a livre obtenção local de moeda estrangeira.

O Governo venezuelano tem distribuído milhões de bolsas CLAP, com alimentos a preços subsidiados, mas também aí a população se queixa de que são insuficientes e de trazerem poucos produtos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.