Polícia Marítima em missão na Grécia efetua resgate de 61 migrantes

Dos 61 migrantes resgatados, 28 são crianças

A equipa da Polícia Marítima em missão na Grécia resgatou na madrugada de sábado 61 migrantes, 28 dos quais crianças, indicou este domingo a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Os 61 imigrantes, 17 dos quais homens, 16 mulheres e 28 crianças, são oriundos do Afeganistão, Congo e de Burkina Faso

Em comunicado, a AMN adianta que, na madrugada de sábado, a Viatura de Vigilância Costeira (VVC) da Polícia Marítima detetou um bote ao largo de Eftalou, ainda em águas turcas, com 61 migrantes, que foram depois resgatados em território grego.

Segundo a AMN, os 61 imigrantes, 17 dos quais homens, 16 mulheres e 28 crianças, são oriundos do Afeganistão, Congo e de Burkina Faso.

Os migrantes desembarcaram em segurança no porto grego de Skala Skaminia.

A AMN explica que, após o barco ter sido detetado, foram "de imediato passadas as coordenadas aos agentes da Polícia Marítima em missão na embarcação 'ARADE', que navegaram para as proximidades", tendo efetuado o transbordo dos migrantes para a sua embarcação, quando estes entraram em águas territoriais gregas.

A Autoridade Marítima Nacional adianta que migrantes desembarcaram em segurança no porto grego de Skala Skaminia.

A missão da Polícia Marítima na Grécia no âmbito da agência europeia de controlo de fronteiras FRONTEX tem como objetivo apoiar a guarda costeira grega com o objetivo de controlar e vigiar as fronteiras marítimas gregas e externas da União Europeia, no combate ao crime transfronteiriço.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.