Polícia israelita recomenda acusação de corrupção a Netanyahu

Primeiro-ministro de Israel arrisca enfrentar duas acusações formais

A polícia israelita recomendou esta terça-feira ao Procurador-Geral que o atual primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, seja acusado de dois crimes de corrupção.

Trata-se do culminar de meses de investigação.

Num dos casos, Netanyahu e a mulher, Sara, são suspeito de terem aceitado subornos -- na forma de charutos e joalharia no valor de centenas de milhares de shekels -- de vários multimilionários, entre eles o produtor de Hollywood Arnon Milchen e o australiano James Packer, empresário que foi marido da cantora Mariah Carey.

No segundo caso estão em causa alegados negócios entre Netanyahu e o dono do jornal Yedioth Ahronoth. Segundo a investigação, primeiro-ministro e empresário acordaram que enquanto o jornal publicava histórias favoráveis ao governo, este fazia por retirar relevância a um jornal concorrente, o Israel Hayom.

O primeiro-ministro já reagiu à notícia da recomendação da polícia, afirmando que em si mesma "não significa nada numa sociedade democrática".

Netanyahu garantiu que continuará "a liderar Israel de forma responsável" e que tudo o que fez foi em prol do país, "não por charutos ou por melhor imprensa".

O caso está agora nas mãos do Procurador-Geral, Avichai Mandelblit.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.