Polícia islâmica detém e corta cabelo de 12 transexuais

O chefe da polícia de Aceh Norte qualificou os transexuais como "uma ameaça pior que terroristas"

A polícia indonésia deteve 12 transexuais na província de Aceh, a única onde vigora a lei islâmica ("sharia"), aos quais cortou o cabelo e obrigou a vestir roupa masculina, denunciaram hoje ativistas.

Dezenas de agentes da polícia local e islâmica efetuaram as detenções no sábado à noite em cinco salões de beleza do distrito Aceh Norte, no norte da ilha de Samatra, disse um ativista da defesa dos direitos LGBT (Lésbicas, gays, bisexuais e transexuais).

Os detidos foram libertados no domingo, acrescentou a mesma fonte, que pediu o anonimato. No mesmo contacto telefónico com a agência noticiosa espanhola EFE, a fonte acrescentou que as 12 pessoas "estão a recuperar do trauma sofrido".

O chefe da polícia de Aceh Norte, Ahmad Untung, qualificou os transexuais como "uma ameaça pior que terroristas" e disse que a polícia atuou por estarem a incomodar os residentes com um comportamento "contrário à 'sharia' e à natureza humana", de acordo com declarações prestadas ao portal Kliksatu.com.

Aceh, província que aprovou em 2002 a aplicação da lei islâmica, criminaliza as relações homossexuais e condena os infratores a castigos corporais, que podem chegar até 100 bastonadas.

Pelo menos 527 pessoas foram espancadas em Aceh desde 2016 até outubro passado, por infrações como apostar, consumo de álcool ou adultério, entre outras, de acordo com o centro de investigação indonésio Institute for Criminal Justice Reform.

No ano passado e pela primeira vez, dois homens foram condenados a serem açoitados em público por manterem relações homossexuais.

Embora Aceh seja a única província do arquipélago que aplica a "sharia", organizações não-governamentais (ONG) e ativistas denunciaram um aumento da repressão contra a comunidade LGBT na Indonésia, país com a maior população muçulmana do mundo.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.