"Pacote suspeito" encontrado em Westminster não era perigoso

Pacote investigado pela polícia tinha um pó branco que não era perigoso

A polícia britânica indicou que o "pacote suspeito" detetado hoje no Palácio de Westminster, sede do parlamento londrino, continha um pó branco "não perigoso".

O primeiro alerta foi dado às 11:36 de hoje, informou a polícia, que fechou o escritório onde foi detetado o pacote, mas permitiu que se continuasse com as atividades habituais no resto do parlamento.

A imprensa local descreveu cenas de "preocupação" perante a forte presença policial junto a Westminster, apesar de estarem poucos deputados no edifício, dado que a Câmara dos Comuns e dos Lordes se encontram fechadas estes dias para descanso.

"A polícia metropolitana [de Londres] investigou hoje um pequeno pacote que continha um pó branco nas dependências do parlamento. Concluiu-se que o pó não era perigoso", indicou a Scotland Yard.

A 22 de março do ano passado, o parlamento britânico interrompeu de forma urgente a sua sessão e fechou as entradas e saídas durante várias horas, quando um terrorista fez um ataque frente ao palácio de Westminster.

O atacante, que matou cinco pessoas, inclusive um dos polícias locais que asseguravam segurança no parlamento, foi morto a tiro quando tentava aceder ao edifício.

[Notícia atualizada às 16:55]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.