Sobrevivente do holocausto assassinada em Paris

Mulher tinha 85 anos e terá sido alvo de um ataque antissemita

A polícia francesa está a investigar o assassinato de uma sobrevivente do holocausto. Mireille Knoll, de 85 anos, foi encontrada esfaqueada e queimada no seu apartamento, em Paris, na última sexta-feira, e as autoridades gaulesas acreditam que a mesma poderá ter sido alvo de um ataque antissemita.

O corpo da mulher judia foi encontrado depois da polícia e dos bombeiros terem sido chamados ao seu apartamento, que estava em chamas. Mireille Knoll, que vivia sozinha e sofria de Parkinson, foi então encontrada com marcas de esfaqueamento e parcialmente queimada. Após as primeiras investigações, um procurado do Ministério Público francês exigiu a detenção de dois suspeitos, um vizinho da vítima, de origem muçulmana, e outra pessoas suspeita de ter sido cúmplice.

Um dos filhos de Mireulle Knoll revelou já que um dos suspeitos era visita regular de Knoll, revelando a sua surpresa pela sua detenção. "Estamos em choque. Não entendo como alguém poderia matar uma mulher que não tem dinheiro e que mora num complexo de habitação social. Ele era tratado como um filho", disse o filho.

Já a sua neta, Noa Goldfarb, revelou na sua conta social Facebook que o suspeito é muçulmano. "A minha avó foi esfaqueada até a morte onze vezes por um vizinho muçulmano que ela conhecia bem, que fez questão de atear fogo à sua casa e deixar-nos sem nenhum objeto, carta ou fotografia dela. Tudo o que temos são nossas lágrimas e uns aos outros", escreveu.

Refira-se que Mireille Knoll era então uma das sobreviventes do holocausto, durante a 2ª Guerra Mundial, e conseguiu escapar ao nazismo, em Paris, após uma fuga em massa de judeus, em 1942, tendo fugido com a sua mãe para Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.