Polícia grega detona bomba junto a ministério do Trabalho

Autoridades informaram que engenho era "defeituoso", pois não explodiu à hora para que estava programado

A polícia grega detonou hoje uma bomba junto ao Ministério do Trabalho, em Atenas, após um aviso por telefone, segundo fonte da polícia.

Especialistas em desarmamento de bombas fizeram explodir uma mochila encontrada junto à entrada do edifício do ministério, no centro de Atenas. Ninguém ficou ferido.

"Era uma bomba-relógio", disse à agência AFP uma fonte da polícia, acrescentando que o engenho era "defeituoso" já que não explodiu à hora para que estava programado.

O jornal Efimerida ton Syntakton disse ter recebido um telefonema anónimo a alertar para a bomba às 23:20 (hora de Lisboa) de domingo.

A polícia isolou a área mas 40 minutos depois da hora, a bomba ainda não tinha explodido.

Por precaução, a polícia realizou uma explosão controlada, pelas 02:30, indicou a mesma fonte.

Nenhum grupo reivindicou, até agora, responsabilidade, mas o método utilizado sugere ser da autoria de um grupo de extrema-esquerda.

O incidente aconteceu depois de os deputados aprovarem, no sábado, um novo orçamento que prevê subidas adicionais de impostos e cortes a pensões, exigidas pelos credores internacionais do país.

O governo de esquerda do primeiro-ministro Alexis Tsipras tem sido criticado por ceder aos credores, depois de ter subido ao poder com a promessa de acabar com a austeridade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.