Polícia espanhola detém 24 pessoas e apreende 2,4 toneladas de cocaína

Apreensão "é uma das mais importantes" realizadas nos últimos anos em Espanha relativas ao tráfico de cocaína

A polícia espanhola anunciou hoje ter desmantelado uma rede colombiana de tráfico de cocaína numa operação em que foram detidas 24 pessoas e apreendidas 2,4 toneladas de droga.

Os presumíveis traficantes de droga, pertencentes a dois grupos ligados ao "cartel de Cucuta", "tentavam instalar-se em Espanha", declarou o chefe da brigada de estupefacientes da polícia espanhola, Ricardo Toro, numa conferência de imprensa na cidade de Corunha (noroeste).

A apreensão "é uma das mais importantes" realizadas nos últimos anos em Espanha relativas ao tráfico de cocaína, afirmou.

"A maioria" das pessoas detidas são de nacionalidade colombiana e as restantes são espanholas, precisou, adiantando que muitas são "figuras bastante importantes no tráfico internacional de cocaína".

O seu trabalho consistia em obter a droga e distribuí-la em Espanha e na Europa, através de carros com fundo duplo, sendo o seu objetivo a termo "estabelecer uma nova rota para Espanha" para a cocaína, segundo um comunicado da polícia.

Espanha é o principal ponto de entrada de droga na Europa, devido à sua proximidade com o norte de África, região onde é produzida canábis, e aos seus laços com a América do Sul, de onde vem a cocaína.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.