Polícia espanhola detém 24 pessoas e apreende 2,4 toneladas de cocaína

Apreensão "é uma das mais importantes" realizadas nos últimos anos em Espanha relativas ao tráfico de cocaína

A polícia espanhola anunciou hoje ter desmantelado uma rede colombiana de tráfico de cocaína numa operação em que foram detidas 24 pessoas e apreendidas 2,4 toneladas de droga.

Os presumíveis traficantes de droga, pertencentes a dois grupos ligados ao "cartel de Cucuta", "tentavam instalar-se em Espanha", declarou o chefe da brigada de estupefacientes da polícia espanhola, Ricardo Toro, numa conferência de imprensa na cidade de Corunha (noroeste).

A apreensão "é uma das mais importantes" realizadas nos últimos anos em Espanha relativas ao tráfico de cocaína, afirmou.

"A maioria" das pessoas detidas são de nacionalidade colombiana e as restantes são espanholas, precisou, adiantando que muitas são "figuras bastante importantes no tráfico internacional de cocaína".

O seu trabalho consistia em obter a droga e distribuí-la em Espanha e na Europa, através de carros com fundo duplo, sendo o seu objetivo a termo "estabelecer uma nova rota para Espanha" para a cocaína, segundo um comunicado da polícia.

Espanha é o principal ponto de entrada de droga na Europa, devido à sua proximidade com o norte de África, região onde é produzida canábis, e aos seus laços com a América do Sul, de onde vem a cocaína.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.