Polícia espanhola apreende 3,8 toneladas de cocaína em barco no Atlântico

Barco foi intercetado quando se dirigia da Colômbia para Espanha

A polícia espanhola anunciou hoje a apreensão de 3,8 toneladas de cocaína escondida num barco intercetado a meio do Oceano Atlântico, quando se dirigia da Colômbia para a Espanha.

A embarcação foi intercetada a 540 milhas marítimas (cerca de 1.000 quilómetros) das ilhas Canárias, arquipélago espanhol localizado ao largo de África, disse a polícia espanhola em comunicado.

A operação policial, que levou à apreensão da droga, iniciou-se em meados de setembro último.

A polícia localizou então o barco, um rebocador, "com a colaboração de diversas agências internacionais a cerca de 360 milhas náuticas (aproximadamente 660 quilómetros) da costa da Guiana", esclarece no comunicado.

Depois de ter estudado a trajetória e a velocidade da embarcação, a polícia conclui que "atingiria as costas espanholas em meados de outubro, mas antes de esta chegar ao seu destino, intercetou-a" no início do mês, a meio do Oceano Atlântico.

Em seguida, transportou o navio para o porto de Cádis, na Andaluzia (sul de Espanah), onde realizou a investigação e descobriu a cocaína.

A tripulação, constituída por sete pessoas, foi presa.

A Espanha é o principal ponto de entrada de estupefacientes na Europa, por estar próxima do Norte de África, região que produz canábis, e pelas suas ligações à América do Sul, de onde provém a cocaína.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.