Polícia detido em Luanda por matar a tiro colega e ferir outros dois

O crime ocorreu na noite de terça-feira quando o presumível autor dos disparos, um agente afeto ao comando municipal de Talatona, em Angola, disparou contra os três elementos

Um oficial da Polícia Nacional angolana foi detido, depois de ter morto a tiro um agente e ferir outros dois, em circunstâncias ainda por esclarecer, informaram hoje as autoridades policiais.

O crime ocorreu na noite de terça-feira e o presumível autor dos disparos é um oficial afeto ao comando municipal de Talatona em Luanda, Angola, esclareceu em comunicado a delegação do Ministério do Interior de Luanda.

Segundo a mesma nota, foi aberto um inquérito policial para apurar as circunstâncias e o motivo dos crimes, tendo sido igualmente instaurados um processo-crime e outro disciplinar para se garantir a responsabilização desses atos.

Segundo o diretor de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério do Interior de Luanda, intendente Mateus Rodrigues, o acusado disparou contra os três elementos, tendo um deles acabado por morrer e os outros dois ficado gravemente feridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.