Quatro feridos em explosão em Manhattan. Mayor diz que foi ataque terrorista

Explosão terá acontecido no metro do terminal de autocarros da Autoridade Portuária, próximo de Times Square, Nova Iorque

A polícia de Nova Iorque confirmou esta segunda-feira a detenção de um homem na sequência de uma explosão num túnel entre a 42.ª Rua e a 8.ª Avenida, em Manhattan, que liga a estação de metro do terminal de autocarros da Autoridade Portuária à estação de Times Square. O incidente já foi qualificado pelo mayor de Nova Iorque como uma tentativa de ataque terrorista.

As autoridades indicaram que se verificaram quatro feridos, um deles o próprio suspeito, na sequência da explosão e que nenhum corre perigo de vida.

O atacante, que terá feito explodir um engenho artesanal que tinha agarrado ao corpo, foi identificado como Akayed Ullah, um homem de 27 anos, com origem no Bangladesh e que estava a viver nos Estados Unidos, mais precisamente em Brooklyn, há sete anos.

O suspeito está hospitalizado a ser tratado por queimaduras nas mãos e no abdómen.

Bill de Blasio, mayor de Nova Iorque, afirmou que se tratou de um ataque terrorista. "Quando ouvimos falar de um ataque no metro isso é muito inquietante, E vamos ser claros, isto foi uma tentativa de ataque terrorista", disse, segundo a CNN. "Graças a Deus, o atacante não alcançou os seus objetivos. Graças a Deus que as primeiras equipas de socorro foram tão rápidas a intervir", acrescentou.

O governante garantiu ainda que não há ameaças para a cidade de Nova Iorque após esta explosão

Segundo o New York Post, que cita fontes policiais, o bombista suicida acionou o engenho que transportava, mas este detonou apenas parcialmente dentro do túnel e feriu também o próprio suspeito, que foi transportado para o hospital.

A assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse que o presidente norte-americano, Donald Trump, já foi informado do incidente.

O terminal de autocarros da Autoridade Portuária é o maior dos EUA, por onde passam 65 milhões de pessoas todos os anos, de acordo com a BBC.

Em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.