Polícia de Boston lançou alerta e mostra mais do que queria

Tweet da polícia estadual permite desvelar vigilância a movimentos de esquerda. Autoridades negam recolher informação sobre opiniões das pessoas

A polícia do Massachusetts partilhou um tweet onde mostrou mais do que queria - ou devia: marcadores de vários grupos de esquerda, passando a ideia de que há uma vigilância a estes movimentos ativistas, revelou este sábado o jornal britânico The Guardian.

Na quinta-feira à noite, no pico de várias explosões que estavam a acontecer na cidade de Boston, que afetaram cerca de oito mil pessoas e fizeram um morto, a polícia estatal colocou online um mapa de respostas aos incêndios e às explosões, com um alerta para os residentes de "Lawrence/Andover/N[orth] Andover", com instalações de gás de uma empresa, a Columbia Gas, abandonarem as suas casas e todos aqueles que cheirassem a gás. No mapa multiplicavam-se os pontos de emergência: 39 incidentes confirmados pelo MSP Watch Center.

Só que na hora de partilhar a imagem no Twitter, quem a copiou revelou mais do que o devido: no cimo do mapa estava a barra de favoritos, listando vários grupos de esquerda, chamando a atenção de jornalistas e dos próprios ativistas.

Na barra via-se um grupo do Facebook da Ação de Massas Contra a Brutalidade Policial (MAAPB); a Coligação para Organizar e Mobilizar Boston contra Trump (Combat); Facebook 413; Facebook MA Ativismo; e o Calendário de Resistência, que calendariza ações de prospeção de candidatos democratas ou progressistas e de manifestações anti-Trump.

A imagem foi partilhada na conta oficial do Twitter da polícia estadual pelas 18h18 (hora local), mas menos de meia hora depois foi apagada. A polícia voltou a partilhar uma imagem nova, com um mapa devidamente enquadrado e sem se ver a barra dos favoritos. Nas redes sociais estalou a polémica sobre a vigilância policial online.

Criado em 2005, o MSP Watch Centre é responsável pela recolha de informações, para facilitar o "levantamento, a análise e a disseminação de informação relevante sobre terrorismo e segurança pública". Existem mais de 100 desses centros em todos os Estados Unidos.

O diretor de comunicação da Polícia do Estado de Massachusetts, David Procopio, disse que ao Guardian que a polícia tem a "responsabilidade de saber sobre todas as grandes reuniões públicas de qualquer tipo e por qualquer grupo, independentemente de sua finalidade e posição". Mas, defendeu: "Não recolhemos informações sobre - nem, francamente, nos importamos com - as crenças ou opiniões de qualquer grupo."

Já Tom Arabia, cofundador do Combat, duvidou destas afirmações das autoridades: "Ninguém pode negar que a polícia estadual de Massachusetts está a vigiar as organizações de esquerda."

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."