Polícia de Boston lançou alerta e mostra mais do que queria

Tweet da polícia estadual permite desvelar vigilância a movimentos de esquerda. Autoridades negam recolher informação sobre opiniões das pessoas

A polícia do Massachusetts partilhou um tweet onde mostrou mais do que queria - ou devia: marcadores de vários grupos de esquerda, passando a ideia de que há uma vigilância a estes movimentos ativistas, revelou este sábado o jornal britânico The Guardian.

Na quinta-feira à noite, no pico de várias explosões que estavam a acontecer na cidade de Boston, que afetaram cerca de oito mil pessoas e fizeram um morto, a polícia estatal colocou online um mapa de respostas aos incêndios e às explosões, com um alerta para os residentes de "Lawrence/Andover/N[orth] Andover", com instalações de gás de uma empresa, a Columbia Gas, abandonarem as suas casas e todos aqueles que cheirassem a gás. No mapa multiplicavam-se os pontos de emergência: 39 incidentes confirmados pelo MSP Watch Center.

Só que na hora de partilhar a imagem no Twitter, quem a copiou revelou mais do que o devido: no cimo do mapa estava a barra de favoritos, listando vários grupos de esquerda, chamando a atenção de jornalistas e dos próprios ativistas.

Na barra via-se um grupo do Facebook da Ação de Massas Contra a Brutalidade Policial (MAAPB); a Coligação para Organizar e Mobilizar Boston contra Trump (Combat); Facebook 413; Facebook MA Ativismo; e o Calendário de Resistência, que calendariza ações de prospeção de candidatos democratas ou progressistas e de manifestações anti-Trump.

A imagem foi partilhada na conta oficial do Twitter da polícia estadual pelas 18h18 (hora local), mas menos de meia hora depois foi apagada. A polícia voltou a partilhar uma imagem nova, com um mapa devidamente enquadrado e sem se ver a barra dos favoritos. Nas redes sociais estalou a polémica sobre a vigilância policial online.

Criado em 2005, o MSP Watch Centre é responsável pela recolha de informações, para facilitar o "levantamento, a análise e a disseminação de informação relevante sobre terrorismo e segurança pública". Existem mais de 100 desses centros em todos os Estados Unidos.

O diretor de comunicação da Polícia do Estado de Massachusetts, David Procopio, disse que ao Guardian que a polícia tem a "responsabilidade de saber sobre todas as grandes reuniões públicas de qualquer tipo e por qualquer grupo, independentemente de sua finalidade e posição". Mas, defendeu: "Não recolhemos informações sobre - nem, francamente, nos importamos com - as crenças ou opiniões de qualquer grupo."

Já Tom Arabia, cofundador do Combat, duvidou destas afirmações das autoridades: "Ninguém pode negar que a polícia estadual de Massachusetts está a vigiar as organizações de esquerda."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.