Polícia colombiana faz maior apreensão de cocaína na história do país

A droga pertencia a um grupo criminoso conhecido pelo nome Clan Úsuga, o maior da Colômbia

Pelo menos oito toneladas de cocaína foram hoje aprendidas pela polícia colombiana no noroeste do país, o que constitui a maior quantidade na história do país, disse o presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

A droga pertencia a um grupo criminoso conhecido pelo nome Clan Úsuga, o maior da Colômbia, e foi encontrada em Turbo, município do departamento de Antioquia, na região de Urabá, informou o Ministério da Defesa colombiano.

"Felicitamos a Polícia da Colômbia. A operação em Turbo permitiu apreender a maior quantidade de droga na história", disse Santos na sua conta da rede social Twitter.

De acordo com a polícia, os traficantes esconderam a cocaína num depósito subterrâneo (6,5 metros de comprimento, 3,5 metros de largura e 2,5 metros de profundidade), cujo interior estava forrado a madeira e o acesso coberto com uma tampa em cimento.

A operação começou na tarde de sábado e terminou hoje, contando com o apoio da aviação policial, que encontrou o esconderijo. Um grupo de 50 comandos da polícia nacional colombiana, apoiados por helicópteros 'Black Hawk', entrou na quinta e procedeu à apreensão.

A droga pertencia ao "número dois" do Clan Úsuga, Roberto Vargas Gutiérrez, conhecido por "Gavilán". O governo colombiano oferece 500 milhões de pesos (cerca de 150 mil euros) de recompensa pela captura de "Gavilán", indicou o mesmo comunicado.

De acordo com a polícia, a cocaína estava pronta para ser transportada, pelo mar das Caraíbas, para a América Central, de onde deveria seguir, provavelmente, para os Estados Unidos.

Na operação policial foram detidas três pessoas, cujos antecedentes criminais estão a ser averiguados.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."