Polícia abate pitbulls que atacaram pessoas e prende o dono

Os feridos tentaram defender-se dos cães com cadeiras enquanto discutiam com o dono dos animais

A polícia britânica abateu este domingo dois cães da raça pitbull que atacaram algumas pessoas em Bolton, Grande Manchester, Inglaterra. Outros dois cães da mesma raça foram capturados pelos agentes policiais e um escapou. Os cinco pitbulls terrier, uma raça proibida no Reino Unido, feriram duas pessoas.

Os cães, que não tinham trela, pertenciam a Daniel Hennessy, de 38 anos. O homem foi detido por permitir que os cães tivessem um comportamento perigoso em público, segundo a polícia.

As vítimas são uma mulher de 60 anos que foi mordida na mão e um homem que foi mordido na perna, segundo o Daily Mail. Os feridos, que estavam à porta de uma loja, viram-se obrigados a usar cadeiras para se defenderem dos animais.

Um vídeo publicado nas redes sociais mostra várias pessoas que foram cercadas pelos cães a pedirem ao homem para controlar os animais. Hennessy negou-se a fazê-lo e aí começou uma acesa discussão.

Outro vídeo mostra o momento em que a polícia abate dois dos animais.

Nas redes sociais, Hennessy publica frequentemente várias fotografias com os cães.

Testemunhas disseram que o homem chorou após os animais terem sido abatidos e foi levado pela polícia com lágrimas nos olhos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".