Polémica rodeia presença do rei de Espanha na evocação dos atentados da Catalunha

Filipe VI participa nas cerimónias com críticas dos setores separatistas. Já surgiram apelos de despolitização das cerimónias

A presença do rei de Espanha na cerimónia evocativa dos atentados de há um ano na Catalunha, na sexta-feira em Barcelona, tem suscitado polémica, com críticas de setores separatistas e apelos à despolitização do ato.

Os atentados de Las Ramblas e de Cambrils (Tarragona), a 17 de agosto de 2017, fizeram 16 mortos, entre os quais duas portuguesas, e 120 feridos.

A participação de Felipe VI na cerimónia prevista para a Praça da Catalunha foi anunciada a 03 de agosto pelo primeiro-ministro, Pedro Sánchez, que frisou que o 1.º aniversário dos ataques "exige de todos solidariedade e respeito pelas vítimas e seus familiares".

Mas, numa região que atravessa um tenso processo político separatista desde outubro, o anúncio da presença do rei foi mal recebido por alguns setores.

O presidente da Generalitat (governo regional da Catalunha), Quim Torra, anunciou no dia seguinte que não participará em "nenhum ato organizado pela monarquia".

"Não o convidámos nem assistiremos a nenhum ato organizado pela monarquia, mas qualquer ato que seja feito no país terá a participação do presidente da Generalitat", disse.

Torra prosseguiu afirmando que os catalães não têm rei e que "ainda exigem e esperam" as desculpas de Felipe VI por dar cobertura "à violência contra cidadãos que exerciam o seu direito de voto" no referendo independentista de 01 de outubro (de 2017) no discurso que pronunciou dois dias depois.

O presidente do governo regional disse que na sexta-feira se deslocará à prisão de Lledoners para visitar o ex-ministro regional Quim Forn, detido sob as acusações de sedição e rebelião, em homenagem a todos os que "naquele dia deram o seu melhor".

A Assembleia Nacional Catalã (ANC), uma associação que luta pela independência política da Catalunha, declinou o convite enviado pela Câmara Municipal de Barcelona, porque, segundo a presidente, Elisenda Paluzie, "não participa em atos que contem com a presença do rei de Espanha".

A ANC anunciou também que se vai "centrar na homenagem às vítimas dos atentados" junto à prisão, onde além de Forn estão detidos vários independentistas.

Motivo diferente apresentou a CUP (Candidatura de Unidade Popular, extrema-esquerda separatista), que anunciou que não participa na cerimónia ao lado de Felipe VI, porque o rei "é cúmplice dos negócios de armas que geram conflitos globais e têm muito a ver com a lamentável situação que leva aos atentados".

"Há que entender a situação geopolítica", disse a deputada da CUP Natàlia Sànchez, acrescentando que as autoridades locais catalãs também não deviam assistir à cerimónia.

Apesar da contestação, os diferentes partidos e entidades separatistas anunciaram uma semana antes dos atos oficiais que não vão organizar protestos contra o rei no dia do ato oficial.

Estas tomadas de posição contra a presença do rei foram criticadas por todos os partidos políticos nacionais e por organizações da sociedade civil.

O porta-voz do Partido Popular (PP) no Congresso, Rafel Hernando, instou partidos e organizações separatistas a deixarem-se de "desvarios políticos" e "delírios independentistas" e "pensem um pouco mais nas vítimas" do terrorismo.

Julio Rodríguez, secretário-geral do Podemos na cidade de Madrid, defendeu que os atos oficiais são uma homenagem às vítimas de devem estar livres de qualquer "conotação política ou de protagonismo pessoal": "Para falar de outras coisas [...] há muitos dias ao longo do ano".

O Ciudadanos falou através do seu porta-voz no parlamento regional (Parlament), Carlos Carrizosa, que confirmou a presença na cerimónia e acusou as forças independentistas de "aproveitar para erodir o chefe de Estado", considerando "uma vergonha" que se "instrumentalize um ato contra o terrorismo".

A associação Amics de La Rambla, que reúne comerciantes e moradores da zona da avenida mais turística de Barcelona, apelou a todos os que mostraram a sua solidariedade com as vítimas ao longo do último ano a participarem na cerimónia, deixando de lado "outros interesses pessoais ou políticos".

"Este é o dia para expressar maciça e conjuntamente o apoio às vítimas, a rejeição do terrorismo e o agradecimento às forças policiais, serviços de saúda, residentes, trabalhadores e todos os que deram apoio após o atentado", afirmou num comunicado.

A 17 de agosto de 2017, um homem conduziu uma furgoneta contra os turistas que passeavam na avenida mais turística de Barcelona, matando 14 pessoas, entre as quais duas portuguesas. O mesmo suspeito roubou mais tarde um automóvel, matando o homem que o conduzia.

Horas mais tarde, cinco cúmplices lançaram o automóvel em que seguiam contra pessoas que passeavam na cidade balnear de Cambrils (Tarragona), fazendo um morto.

Os seis autores materiais dos ataques, todos filhos de imigrantes marroquinos com entre 17 e 24 anos, foram mortos pela polícia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.