Polémica com Facebook: buscas na Cambridge Analytica

ATUALIZADA: Escritório de Londres da empresa visitada por 18 agentes

A Cambridge Analytica está esta sexta-feira à noite a ser alvo de buscas na sequência do escândalo da utilização dados de milhões de utilizadores do Facebook sem seu consentimento para disseminar propaganda política.

O supervisor de comunicações britânico, o Information Commissioner's Office (ICO) informou aos media minutos antes da ação ter o mandado judicial de busca em seu poder.

Pouco depois, segundo a BBC, 18 agentes ligados ao ICO entraram nos escritórios em Londres da empresa.

Ainda que tanto a Cambridge Analytica como o Facebook garantam que não fizeram qualquer ato ilegal, a consultora afirma que desde fevereiro do ano passado tem estado em permanente contacto com o ICO.

O presidente executivo da Cambridge Analytica, Alexander Tayler, afirmou ainda que os dados captados do Facebook pela sua empresa foram apagados em 2015, mas que contratrou uma empresa autónoma para fazer uma auditoria aos seus sistemas de forma a que não restem dúvidas de que tal aconteceu.

A líder do ICO, Elizabeth Denham, afirmou já que a investigação em curso se insere num processo mais amplo que visa as campanhas políticas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.