Primeiro-ministro japonês e Trump decidem elevar a pressão sobre Pyongyang

Os líderes acordaram trabalhar de forma conjunta com o objetivo de pôr fim aos programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte

O primeiro-ministro nipónico e o Presidente dos Estados Unidos acordaram esta segunda-feira elevar a pressão sobre a Coreia do Norte para pôr fim às ameaças de Pyongyang.

Shinzo Abe e Donald Trump tiveram uma conversa telefónica pelas 11:30 (03:30 em Lisboa) para preparar a visita do Presidente norte-americano ao Japão, entre 05 e 07 de novembro, disse o vice-porta-voz do Executivo nipónico, Yasutoshi Nishimura.

Ambos os líderes acordaram trabalhar de forma conjunta para aumentar ainda mais a pressão sobre o regime liderado por Kim Jong-un com o objetivo de pôr fim aos seus programas nuclear e de mísseis, acrescentou o porta-voz em declarações recolhidas pela cadeia estatal nipónica NHK.

Durante a conversa, que se estendeu por cerca de 30 minutos, Trump também felicitou Abe pela vitória nas eleições gerais antecipadas, no domingo, com o governante Partido Liberal Democrata (PLD) e o parceiro de coligação, Nobo Komeito, a conseguirem revalidar a ampla maioria de dois terços na câmara baixa do parlamento.

O primeiro-ministro japonês tinha justificado a convocatória destas eleições, um ano antes do final da legislatura, pela necessidade de contar com um forte apoio popular para fazer frente à ameaça norte-coreana, assim como para ultimar a aplicação do seu ambicioso programa de reformas económicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.