Primeiro-ministro japonês e Trump decidem elevar a pressão sobre Pyongyang

Os líderes acordaram trabalhar de forma conjunta com o objetivo de pôr fim aos programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte

O primeiro-ministro nipónico e o Presidente dos Estados Unidos acordaram esta segunda-feira elevar a pressão sobre a Coreia do Norte para pôr fim às ameaças de Pyongyang.

Shinzo Abe e Donald Trump tiveram uma conversa telefónica pelas 11:30 (03:30 em Lisboa) para preparar a visita do Presidente norte-americano ao Japão, entre 05 e 07 de novembro, disse o vice-porta-voz do Executivo nipónico, Yasutoshi Nishimura.

Ambos os líderes acordaram trabalhar de forma conjunta para aumentar ainda mais a pressão sobre o regime liderado por Kim Jong-un com o objetivo de pôr fim aos seus programas nuclear e de mísseis, acrescentou o porta-voz em declarações recolhidas pela cadeia estatal nipónica NHK.

Durante a conversa, que se estendeu por cerca de 30 minutos, Trump também felicitou Abe pela vitória nas eleições gerais antecipadas, no domingo, com o governante Partido Liberal Democrata (PLD) e o parceiro de coligação, Nobo Komeito, a conseguirem revalidar a ampla maioria de dois terços na câmara baixa do parlamento.

O primeiro-ministro japonês tinha justificado a convocatória destas eleições, um ano antes do final da legislatura, pela necessidade de contar com um forte apoio popular para fazer frente à ameaça norte-coreana, assim como para ultimar a aplicação do seu ambicioso programa de reformas económicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.