Primeiro-ministro australiano quer demissão de arcebispo condenado por encobrir abusos sexuais

Turnbull disse aos jornalistas que o clérigo de 67 anos não deveria ser autorizado a permanecer no cargo de arcebispo

O primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, defendeu na quinta-feira a demissão do arcebispo de Adelaide, o mais alto clérigo católico já condenado por encobrir casos de abuso sexual de menores.

Turnbull disse aos jornalistas que o clérigo de 67 anos não deveria ser autorizado a permanecer no cargo de arcebispo.

Há duas semanas, o primeiro-ministro afirmara já que o clérigo Philip Wilson deveria ter renunciado quando foi condenado em maio por não informar as autoridades sobre o abuso repetido de duas crianças por um padre pedófilo na região de Hunter Valley (norte de Sydney) durante a década de 1970.

O arcebispo de Adelaide já disse que só renunciará ao cargo se perder o recurso que interpôs num tribunal da Nova Gales do Sul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.