Primeiro-ministro australiano quer demissão de arcebispo condenado por encobrir abusos sexuais

Turnbull disse aos jornalistas que o clérigo de 67 anos não deveria ser autorizado a permanecer no cargo de arcebispo

O primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, defendeu na quinta-feira a demissão do arcebispo de Adelaide, o mais alto clérigo católico já condenado por encobrir casos de abuso sexual de menores.

Turnbull disse aos jornalistas que o clérigo de 67 anos não deveria ser autorizado a permanecer no cargo de arcebispo.

Há duas semanas, o primeiro-ministro afirmara já que o clérigo Philip Wilson deveria ter renunciado quando foi condenado em maio por não informar as autoridades sobre o abuso repetido de duas crianças por um padre pedófilo na região de Hunter Valley (norte de Sydney) durante a década de 1970.

O arcebispo de Adelaide já disse que só renunciará ao cargo se perder o recurso que interpôs num tribunal da Nova Gales do Sul.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.