PJ e polícia britânica apreendem mais de 2 toneladas de cocaína no Canal da Mancha

Foram detidos dois homens na sequência da operação

Uma operação das polícias portuguesa e britânica resultou na apreensão de mais de duas toneladas de cocaína, num veleiro, ao largo do Canal da Mancha, proveniente da América Latina e destinada à Europa, anunciou esta segunda-feira a PJ.

Em comunicado, a PJ adianta que participou, nas últimas semanas, juntamente com a National Crime Agency do Reino Unido, numa "complexa operação de combate ao tráfico de cocaína por via marítima".

Segundo a PJ, na sequência desta operação intercetou, no Oceano Atlântico, mais propriamente no Canal da Mancha, uma embarcação de recreio com pavilhão holandês que transportava aproximadamente 2.100 quilos de cocaína, proveniente da América Latina com destino ao continente europeu.

A PJ refere que, no âmbito desta operação, as autoridades do Reino Unido detiveram dois homens.

Esta operação, à semelhança de outras que foram realizadas nos últimos meses e que permitiram apreender avultadas quantidades de cocaína transportada por via marítima, insere-se no quadro de cooperação policial desenvolvida pelas autoridades de vários países que tem como objetivo "interditar a entrada daquele tipo de estupefaciente no espaço europeu e a sua posterior distribuição aos consumidores".

A PJ participou nesta operação através da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes e o Departamento de Investigação Criminal de Ponta Delgada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.