PJ e polícia britânica apreendem mais de 2 toneladas de cocaína no Canal da Mancha

Foram detidos dois homens na sequência da operação

Uma operação das polícias portuguesa e britânica resultou na apreensão de mais de duas toneladas de cocaína, num veleiro, ao largo do Canal da Mancha, proveniente da América Latina e destinada à Europa, anunciou esta segunda-feira a PJ.

Em comunicado, a PJ adianta que participou, nas últimas semanas, juntamente com a National Crime Agency do Reino Unido, numa "complexa operação de combate ao tráfico de cocaína por via marítima".

Segundo a PJ, na sequência desta operação intercetou, no Oceano Atlântico, mais propriamente no Canal da Mancha, uma embarcação de recreio com pavilhão holandês que transportava aproximadamente 2.100 quilos de cocaína, proveniente da América Latina com destino ao continente europeu.

A PJ refere que, no âmbito desta operação, as autoridades do Reino Unido detiveram dois homens.

Esta operação, à semelhança de outras que foram realizadas nos últimos meses e que permitiram apreender avultadas quantidades de cocaína transportada por via marítima, insere-se no quadro de cooperação policial desenvolvida pelas autoridades de vários países que tem como objetivo "interditar a entrada daquele tipo de estupefaciente no espaço europeu e a sua posterior distribuição aos consumidores".

A PJ participou nesta operação através da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes e o Departamento de Investigação Criminal de Ponta Delgada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.