Pizza Hut ameaçou castigar funcionários que faltassem para fugir ao furacão Irma

Restaurante está a ser criticado por pedir aos funcionários que arriscassem as vidas

Um restaurante da Pizza Hut em Jacksonville, na Florida, está a ser criticado por ameaçar punir os funcionários que faltassem durante muito tempo para fugir ao furacão Irma, numa altura em que vários pontos do estado estavam a ser evacuados.

Num comunicado colocado na parede do restaurante, o gerente avisou que os funcionários apenas podiam abandonar o emprego 24 horas antes de a tempestade chegar à Florida e tinham de regressar em 72 horas. Além disso, o restaurante apenas seria encerrado entre 6 a 12 horas antes da tempestade chegar e os funcionários que abandonassem a cidade deviam cumprir os turnos até ao fim.

"Não estar presente nos turnos, independentemente da razão, será considerado uma falta e a correspondente documentação será emitida", dizia o comunicado. "Depois da tempestade, precisamos de todos os membros da equipa para pormos o restaurante em condições e a funcionar para servirmos as nossas comunidades".

Abandonar um local que vai ser afetado por um furacão com 24 horas de antecedência pode ser muito arriscado. Como apontou o Washington Post, podem existir grandes filas de trânsito e a essa altura já é difícil encontrar abrigo, comida, água, combustível e outros bens essenciais.

Nas redes sociais, a atitude do gerente foi muito criticada e muitos utilizadores destacaram que a Pizza Hut estava na realidade a pedir aos funcionários que arriscassem as vidas por um salário baixo. Houve mesmo quem garantisse que vai boicotar a marca.

"Pizza Hut, vocês fecham no Natal mas querem mandar os funcionários para a morte durante um furacão?", perguntou um utilizador.

"Comportamento repulsivo. Deviam ter vergonha", escreveu outro cibernauta.

A Pizza Hut respondeu num comunicado e disse estar comprometida com "o bem-estar e a segurança dos funcionários". "Todos os restaurantes no caminho do furacão Irma estão fechados e vão manter-se fechados até as autoridades locais considerarem seguro", continuou a empresa, acrescentando que o gerente não agiu de acordo com as normas e que a Pizza Hut não pode ditar quando os funcionários podem partir ou regressar em caso de desastre natural.

Ainda assim, o Washington Post realça que muitas vezes os funcionários de restaurantes e cadeias de fast-food veem-se obrigados a ficar nas zonas em perigo, pois faltar significa perder o emprego e também porque não ganham o suficiente para conseguirem sair da cidade.

O Huffington Post referiu que o Irma trouxa grandes inundações à cidade de Jacksonville, a mais populosa do Estado da Florida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.