Piloto sem horas de voo suficientes para aviação comercial

Advogado do copiloto diz que está preparado para demonstrar que piloto obteve licença sem cumprir os requisitos

O piloto do avião que se despenhou na Colômbia em 29 de novembro, vitimando 71 pessoas, não tinha horas suficientes de voo para comandar aviões comerciais, segundo o advogado do copiloto.

"Estamos preparados para demonstrar que o piloto Miguel Quiroga não completou as horas de treino necessárias" para voos comerciais, afirmou Omar Duran, advogado da família do copiloto Fernando Goytia, que, tal como Quiroga, morreu no acidente, em declarações à agência noticiosa ABI.

Em 29 de novembro, a queda do avião da companhia boliviana Lamia perto de Medellín (Colômbia) causou a morte a 71 das 77 pessoas que seguiam a bordo, incluindo a maioria dos jogadores da Chapecoense, dirigentes e jornalistas que acompanhavam a equipa, que se preparava para disputar a primeira mão da final da Taça sul-americana com os colombianos do Atlético Nacional.

"Aparentemente, em 2013, algumas informações foram falsificadas e, apesar de as autoridades terem verificado que [Quiroga] não tinha horas de voo suficientes, ele obteve a sua licença", afirmou Duran, acrescentando que Goytia conhecia a situação, mas não a revelou para não pôr em causa a reputação da companhia aérea.

As investigações sobre o acidente aéreo prosseguem, mas o responsável pela segurança na aviação civil na Colômbia já disse que o voo desrespeitou as regras internacionais sobre as reservas necessárias de combustível.

Após o acidente, a licença da companhia aérea foi suspensa pelas autoridades bolivianas e foram detidos o diretor-geral da companhia, Gustavo Vargas Gamboa, e o seu filho Gustavo Vargas Villegas, ex-diretor do Registo Aeronáutico Nacional da Direção Geral de Aeronáutica Civil.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.