Piloto da Ryanair encontrado morto junto a aeroporto de Málaga

Comandante de 45 anos estava há 10 ao serviço da companhia irlandesa. Foi encontrado no interior de uma viatura e as autoridades espanholas apontam para suicídio

Tudo aponta para que a causa da morte de Jouke Shrale, piloto da Ryanair encontrado morto no interior de um automóvel, seja o suicídio. O corpo estava na viatura estacionada na área de pessoal do aeroporto de Málaga-Costa del Sol, tendo sido detetado, no dia 3 de agosto, por funcionários do aeroporto.

O incidente ocorreu dias após as paralisações convocadas pelos sindicatos de tripulantes de cabina e uma semana antes da greve de pilotos da Ryanair na Irlanda, Suécia, Bélgica e Alemanha. Bombeiros e polícia foram chamados ao aeroporto de Málaga, com todas as hipóteses a estarem em aberto nessa altura. As investigações entretanto realizadas pelas autoridades espanholas indicam que se tratou de suicídio, noticia hoje o El Mundo.

Shrale tinha 45 anos, com 10 ao serviço da companhia irlandesa. De acordo com fontes citadas pelo jornal inglês The Sun, "nunca em 15 anos de serviço havia perdido ou chegado atrasado a um voo". Terá sido por isso que "quando o piloto não compareceu para um de seus voos, de Málaga para Bruxelas" se temeu logo que algo de mal tivesse acontecido. O jornal também cita um porta-voz da Ryanair a garantir que na companhia estão todos "muito tristes com a morte súbita do comandante Jouke Schrale e os seus colegas em Málaga estão em choque com esta tragédia". A Ryanair promete todo o apoio à família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.