Petições por todo o mundo contra festival de carne de cão na China

Mais de 10 mil cães terão sido mortos nas edições de 2014 e 2015 do festival de Yulin

Aviso: Esta notícia contém descrições gráficas de violência contra animais.

Com o aproximar de junho multiplicam-se as petições online a apelar ao fim do Festival de Carne de Cão, que decorre anualmente no sul da China, as quais reúnem centenas de milhares de subscritores em todo o mundo.

Yulin, na província de Guangxi, organiza o festival de carne de cão pelo solstício de verão, desencadeando uma onda de revolta em todo o mundo, com grupos de defesa dos direitos dos animais a procurarem travar o que designam de "festival da crueldade".

Atualmente, à semelhança de anos anteriores, encontram-se online diversas petições para apelar ao fim do festival, durante o qual são cozinhados milhares de cães. Segundo uma petição, que já reuniu mais de um milhão de subscritores, mais de 10 mil cães - incluindo cachorros - foram mortos em 2014 e 2015 do festival de Yulin.

Outra petição, divulgada através da plataforma Avaaz, que promove campanhas na Internet, igualmente endereçada ao Presidente da China, Xi Jinping, mas também ao governador da província de Guangxi, Chen Wu, reunia mais de 600 mil assinaturas até hoje.

Este texto coloca a tónica, em particular, no sofrimento "insuportável" pelo qual devem passar os animais, fazendo uma descrição pormenorizada: "São pendurados de cabeça para baixo em ganchos", "é-lhes feito um golpe a partir do ânus e são esfolados e vendidos para serem comidos" ou "são espancados" e "sangram até à morte".

Para garantir o abastecimento do festival de Yulin, muitos cães são roubados aos donos, como anualmente reportam organizações de defesa dos direitos dos animais.

"Milhares de cidadãos chineses já se manifestaram contra o festival, mas as autoridades não vão agir até verem o quanto está a prejudicar a imagem global da China, a qual estão a trabalhar arduamente para melhorar", refere uma das petições.

À luz das regras, em Yulin, a carne de cão é normalmente servida com líchias, uma fruta muito fresca, típica da China, e regada com "bai ju", uma aguardente à base de cereais, sendo "muito fortificante", melhorando a circulação sanguínea e combatendo a impotência, segundo crenças locais.

A 'tradição' de comer carne de cão na China já não é o que era, parecendo estar a perder adeptos, mas o festival de Yulin continua a realizar-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.