Guerra das vieiras: pescadores em confrontos no canal da Mancha

Franceses acusam britânicos de "saque" e lamentam a perda de um "recurso primário". Estes dizem que se tratou de "pirataria clara" e exigem a proteção do governo

Pescadores franceses e britânicos envolveram-se em confrontos, na noite de segunda-feira, em pleno mar no canal da Mancha, por causa da apanha de vieiras, noticiou a BBC.

De acordo com a edição online da BBC, o confronto deu-se a cerca de 12 milhas náuticas (22 km) da costa da Normandia, perto da baía do Sena, quando 35 barcos franceses se reuniram em protesto contra o que chamam de "saques" britânicos. Os pescadores insultaram os britânicos e lançaram pedras e bombas de fumo.

O diferendo na pesca de scallops, para os britânicos, e das coquilles saint-jacques não se fica só pelo nome: os britânicos podem pescar durante o ano todo, nesta área rica em vieiras, enquanto os franceses só o podem fazer de 1 de outubro a 15 de maio. O acordo, que tem prevalecido nos últimos cinco anos, estabelece que os britânicos deixam barcos maiores de fora em troca de mais direitos de pesca. E os pescadores franceses fartaram-se, agora, e rejeitaram o acordo.

"Para os ingleses, é bar aberto"

"Para os ingleses, é bar aberto: eles pescam quando querem, onde querem e quanto querem", reclamou o responsável pelas pescas da Normandia, Dimitri Rogoff. "Nós não queremos impedi-los de pescar, mas eles poderiam pelo menos esperar até 1 de outubro para partilharmos. As vieiras são um produto importante para a Normandia, um recurso primário e uma questão altamente sensível", notou o responsável.

Os ingleses exigem a proteção do governo, enquanto os franceses lamentam a perda de um "recurso primário". "Os franceses abordaram os britânicos para impedir que eles trabalhassem e entraram em confronto", reconheceu Rogoff. "Aparentemente, houve pedras, mas não houve feridos."

Alguns barcos ficaram danificados na escaramuça, detalhou a BBC. Os britânicos estavam em menor número, com cinco barcos para 35 navios franceses. Dois barcos britânicos, Golden Promise e Joanna C, regressaram ao porto de Brixham com janelas danificadas. Um vídeo divulgado por uma televisão francesa, parece mostrar uma draga escocesa, Honeybourne 3, a colidir com navios próximos.

O diretor executivo da Scottish Whitefish Producers Association, Mike Park, descreveu o incidente como "pirataria clara". Em declarações à BBC Scotland, Park defendeu os britânicos: "Eles [pescadores do Reino Unido] têm todo o direito de estar lá", disse, acrescentando que a presença de barcos britânicos, "na zona francesa, não é ilegal".

"As questões mais profundas por trás dos confrontos devem ser resolvidas conversando ao redor da mesa, não no mar, onde as pessoas podem ficar feridas", notou Mike Park.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.