Perto de dois milhões de muçulmanos iniciam hoje peregrinação anual a Meca

Perto de dois milhões de muçulmanos de todo o mundo são aguardados a partir de hoje em Meca, na Arábia Saudita, para a peregrinação anual realizada naquela cidade que é considerada como o sítio mais sagrado do Islão.

Nos últimos dias, as autoridades sauditas têm estado a finalizar os preparativos relacionados com a assistência médica, segurança e as necessidades logísticas dos participantes desta peregrinação, também conhecida como 'haji' e que os muçulmanos com capacidades financeiras devem realizar, pelo menos, uma vez na vida.

O Ministério do Interior saudita indicou na sexta-feira que as forças de segurança estão aptas para enfrentar "confrontos diretos e violência armada" e para detetar explosivos, drogas e armas.

No mesmo dia, a Direção de Defesa Civil informou que as suas equipas estão preparadas para lidar com 13 tipos de possíveis riscos, das emergências médicas a incêndios, passando por tumultos ou por situações mais improváveis como inundações.

Em 2015, tumultos ocorridos durante a peregrinação mataram cerca de 2.000 fiéis.

Uma das preocupações das autoridades sauditas é o calor, uma vez que são esperadas para os próximos dias em Meca (a peregrinação prolonga-se até à próxima sexta-feira) temperaturas máximas entre os 42 e os 44 graus Celsius.

Entre os cerca de dois milhões de muçulmanos aguardados em Meca, constam 1.684.629 estrangeiros que chegaram nos últimos dias à Arábia Saudita, segundo precisaram na quinta-feira as autoridades de imigração sauditas.

A peregrinação a Meca antecede a Festa do Sacrifício, ou 'Tabaski', uma reunião de família durante a qual é sacrificado um cordeiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.