Personalidade do ano: Jornalistas assassinados ou perseguidos

A Time descreve-os como os "guardiães" na "guerra da verdade". O título é atribuído todos os anos a uma pessoa ou a um grupo de pessoas que "mais influenciou as notícias e o mundo, para o melhor ou para o pior, durante o ano".

Os jornalistas assassinados ou perseguidos são personalidade do ano para a revista Time. Porquê? Porque correm grandes riscos em busca de verdades maiores, pela busca imperfeita, mas essencial, por factos, e por falarem", diz a Time sobre os jornalistas assassinados ou perseguidos que, segundo a revista, são a personalidade do ano.

Jamal Khashoggi, Maria Ressa, Wa Lone, Kyaw Soe Oo e o jornal Capital Gazette fazem parte do grupo de vencedores.

Jamal Khashoggi, colunista do Washington Post e crítico do príncipe herdeiro saudita, desapareceu depois de entrar no consulado saudita em Istambul, para ir buscar documentos para o seu casamento. As autoridades turcas suspeitam que foi morto no interior do consulado, tendo a Arábia Saudita já identificado e preso dois suspeitos da morte do ex-jornalista.

Maria Ressa, dirige o Rappler, um site de notícias online nas Filipinas que denunciou execuções extrajudiciais ordenadas pelo presidente Rodrigo Duterte, que resultaram em cerca de 12 mil mortos.

Wa Lone e Kyaw Soe Oo são dois jovens jornalistas da agência Reuters detidos em Myanmar, condenados a sete anos de prisão por terem documentado as mortes de dez pessoas de etnia Rohingya.

Já o jornal Capital Gazette, em Annapolis, Maryland, foi palco de um tiroteio em junho deste ano. Cinco pessoas morreram, entre as quais quatro jornalistas.

Entre os finalistas estavam figuras políticas como o presidente norte-americano, Donald Trump, o procurador Robert Mueller, o presidente russo, Vladimir Putin, e Moon Jae-in, o presidente da Coreia do Sul, além de um grupo de pessoas como as famílias separadas na fronteira entre o México e os Estados Unidos e os ativistas da "Marcha pelas Nossas Vidas", jovens que sobreviveram ao tiroteio numa escola de Parkland, na Florida.

O título é atribuído todos os anos a uma pessoa ou a um grupo de pessoas que "mais influenciou as notícias e o mundo, para o melhor ou para o pior, durante o ano". E este ano foram os jornalistas.

Em 2017, a Figura do Ano da revista Time tinham sido as mulheres que lideraram o movimento "MeToo", contra abusos sexuais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.