Personalidade do ano: Jornalistas assassinados ou perseguidos

A Time descreve-os como os "guardiães" na "guerra da verdade". O título é atribuído todos os anos a uma pessoa ou a um grupo de pessoas que "mais influenciou as notícias e o mundo, para o melhor ou para o pior, durante o ano".

Os jornalistas assassinados ou perseguidos são personalidade do ano para a revista Time. Porquê? Porque correm grandes riscos em busca de verdades maiores, pela busca imperfeita, mas essencial, por factos, e por falarem", diz a Time sobre os jornalistas assassinados ou perseguidos que, segundo a revista, são a personalidade do ano.

Jamal Khashoggi, Maria Ressa, Wa Lone, Kyaw Soe Oo e o jornal Capital Gazette fazem parte do grupo de vencedores.

Jamal Khashoggi, colunista do Washington Post e crítico do príncipe herdeiro saudita, desapareceu depois de entrar no consulado saudita em Istambul, para ir buscar documentos para o seu casamento. As autoridades turcas suspeitam que foi morto no interior do consulado, tendo a Arábia Saudita já identificado e preso dois suspeitos da morte do ex-jornalista.

Maria Ressa, dirige o Rappler, um site de notícias online nas Filipinas que denunciou execuções extrajudiciais ordenadas pelo presidente Rodrigo Duterte, que resultaram em cerca de 12 mil mortos.

Wa Lone e Kyaw Soe Oo são dois jovens jornalistas da agência Reuters detidos em Myanmar, condenados a sete anos de prisão por terem documentado as mortes de dez pessoas de etnia Rohingya.

Já o jornal Capital Gazette, em Annapolis, Maryland, foi palco de um tiroteio em junho deste ano. Cinco pessoas morreram, entre as quais quatro jornalistas.

Entre os finalistas estavam figuras políticas como o presidente norte-americano, Donald Trump, o procurador Robert Mueller, o presidente russo, Vladimir Putin, e Moon Jae-in, o presidente da Coreia do Sul, além de um grupo de pessoas como as famílias separadas na fronteira entre o México e os Estados Unidos e os ativistas da "Marcha pelas Nossas Vidas", jovens que sobreviveram ao tiroteio numa escola de Parkland, na Florida.

O título é atribuído todos os anos a uma pessoa ou a um grupo de pessoas que "mais influenciou as notícias e o mundo, para o melhor ou para o pior, durante o ano". E este ano foram os jornalistas.

Em 2017, a Figura do Ano da revista Time tinham sido as mulheres que lideraram o movimento "MeToo", contra abusos sexuais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.