Pedro Sánchez, o obstinado que derrubou um governo sobrevivente a várias crises

Líder do PSOE vai ser primeiro-ministro espanhol após a aprovação da moção de censura contra Mariano Rajoy

Derrotado nas últimas eleições e depois expulso da liderança do seu partido antes de regressar pela porta grande, o socialista Pedro Sánchez acaba de ganhar uma aposta arriscada para alcançar o poder em Espanha.

O diário espanhol El País recorda que este antigo professor de Economia, 46 anos, vê recompensada a sua obstinação em conseguir todos os apoios para aprovar uma moção de censura contra o líder conservador e após encabeçar uma onda de indignação pela condenação judicial do PP de Mariano Rajoy num caso de corrupção.

"A sua solidão, senhor Rajoy, representa o epitáfio de um tempo político, o seu, que já terminou", disse Sánchez no Congresso dos Deputados.

Nascido a 29 de fevereiro de 1972, em Madrid, Pedro Sánchez nasceu numa família abastada, um pai empresário e uma mãe funcionária.

Ao mesmo tempo que dedicava muitas horas ao basquetebol (mede 1,90 metros), estudou Economia, primeiro na sua cidade e depois em Bruxelas.

Amante da política desde jovem, segundo os seus companheiros de classe, foi conselheiro municipal em Madrid, entre 2004 e 2009, quando se converteu em deputado e a sua carreira disparou.

Impulsionado em 2014 para a liderança de um PSOE debilitado devido às primárias do partido, ficou atrás de Rajoy nas eleições de dezembro de 2015.

Tentou formar governo com os partidos emergentes do Podemos e Cidadãos, mas a iniciativa desfez-se.

Na repetição das eleições de junho de 2016, o PSOE registou o seu pior resultado desde o restabelecimento da democracia espanhola, em 1977.

Sánchez foi deposto por uma rebelião interna no seu partido que o culpava pelos maus resultados eleitorais.

Voltou pela porta grande em maio de 2017, quando os militantes o devolveram à liderança do seu partido.

Pedro Sánchez vai ser recordado pelo PP por causar a queda de um chefe de governo que já sobrevivera a várias crises.

Sánchez "ficará na história de Espanha como o Judas da política", afirmou recentemente Fernando Martínez-Maillo, número três da formação conservadora, recordado pelo jornal El País.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.