Perdão de Fujimori é irrevogável, diz vice-Presidente do Peru

O antigo chefe de Estado cumpria uma pena de 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra a humanidade. Foi perdoado

O perdão concedido pelo Presidente do Peru a Alberto Fujimori vai ser mantido, mesmo que o Tribunal Interamericano dos Direitos Humanos peça a anulação, declarou a vice-Presidente peruana.

Numa entrevista publicada no domingo pelo diário Correo de Lima, a vice-Presidente, Mercedes Araoz, foi muito clara. "O perdão é uma prerrogativa do Presidente. Ponto final", declarou.

"Respeitamos os nossos compromissos internacionais, mas temos uma Constituição e esta Constituição é explícita no que diz respeito à capacidade do Presidente de conceder perdão", insistiu.

Se for chamado a pronunciar-se sobre o caso, o Tribunal Interamericano dos Direitos Humanos "deve ter em conta o que está expressamente escrito na Constituição peruana", afirmou.

A 24 de dezembro, o Presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, perdoou o antigo chefe de Estado Alberto Fujimori, de 79 anos, que cumpria uma pena de 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra a humanidade cometidos enquanto estava no poder (1990-2000).

A decisão suscitou numerosas críticas no Peru e no estrangeiro, quer de organizações de defesa dos direitos humanos, como advogados vítimas da repressão exercida sob a presidência de Fujimori contra as guerrilhas do Sendero Luminoso e do Movimento Revolucionário Tupac Amaru.

Manifestações de milhares de peruanos contrários ao perdão concedido a Fujimori decorreram em Lima e em outras cidades peruanas. Kuczynski viu-se confrontado com acusações de corrupção e uma ameaça de destituição.

O antigo Presidente de origem japonesa encontra-se desde 23 de dezembro numa clínica em Lima, onde foi hospitalizado de emergência com hipotensão e arritmias cardíacas. Foi no dia seguinte à sua hospitalização que Kuczynski concedeu o perdão.

Fujimori tinha sido condenado a 25 anos de prisão, nomeadamente pela responsabilidade numa operação antiterrorista durante a qual 25 pessoas, incluindo uma criança de oito anos, foram mortas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.