Perdão de Fujimori é irrevogável, diz vice-Presidente do Peru

O antigo chefe de Estado cumpria uma pena de 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra a humanidade. Foi perdoado

O perdão concedido pelo Presidente do Peru a Alberto Fujimori vai ser mantido, mesmo que o Tribunal Interamericano dos Direitos Humanos peça a anulação, declarou a vice-Presidente peruana.

Numa entrevista publicada no domingo pelo diário Correo de Lima, a vice-Presidente, Mercedes Araoz, foi muito clara. "O perdão é uma prerrogativa do Presidente. Ponto final", declarou.

"Respeitamos os nossos compromissos internacionais, mas temos uma Constituição e esta Constituição é explícita no que diz respeito à capacidade do Presidente de conceder perdão", insistiu.

Se for chamado a pronunciar-se sobre o caso, o Tribunal Interamericano dos Direitos Humanos "deve ter em conta o que está expressamente escrito na Constituição peruana", afirmou.

A 24 de dezembro, o Presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, perdoou o antigo chefe de Estado Alberto Fujimori, de 79 anos, que cumpria uma pena de 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra a humanidade cometidos enquanto estava no poder (1990-2000).

A decisão suscitou numerosas críticas no Peru e no estrangeiro, quer de organizações de defesa dos direitos humanos, como advogados vítimas da repressão exercida sob a presidência de Fujimori contra as guerrilhas do Sendero Luminoso e do Movimento Revolucionário Tupac Amaru.

Manifestações de milhares de peruanos contrários ao perdão concedido a Fujimori decorreram em Lima e em outras cidades peruanas. Kuczynski viu-se confrontado com acusações de corrupção e uma ameaça de destituição.

O antigo Presidente de origem japonesa encontra-se desde 23 de dezembro numa clínica em Lima, onde foi hospitalizado de emergência com hipotensão e arritmias cardíacas. Foi no dia seguinte à sua hospitalização que Kuczynski concedeu o perdão.

Fujimori tinha sido condenado a 25 anos de prisão, nomeadamente pela responsabilidade numa operação antiterrorista durante a qual 25 pessoas, incluindo uma criança de oito anos, foram mortas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.