Perdão de Fujimori é irrevogável, diz vice-Presidente do Peru

O antigo chefe de Estado cumpria uma pena de 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra a humanidade. Foi perdoado

O perdão concedido pelo Presidente do Peru a Alberto Fujimori vai ser mantido, mesmo que o Tribunal Interamericano dos Direitos Humanos peça a anulação, declarou a vice-Presidente peruana.

Numa entrevista publicada no domingo pelo diário Correo de Lima, a vice-Presidente, Mercedes Araoz, foi muito clara. "O perdão é uma prerrogativa do Presidente. Ponto final", declarou.

"Respeitamos os nossos compromissos internacionais, mas temos uma Constituição e esta Constituição é explícita no que diz respeito à capacidade do Presidente de conceder perdão", insistiu.

Se for chamado a pronunciar-se sobre o caso, o Tribunal Interamericano dos Direitos Humanos "deve ter em conta o que está expressamente escrito na Constituição peruana", afirmou.

A 24 de dezembro, o Presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, perdoou o antigo chefe de Estado Alberto Fujimori, de 79 anos, que cumpria uma pena de 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra a humanidade cometidos enquanto estava no poder (1990-2000).

A decisão suscitou numerosas críticas no Peru e no estrangeiro, quer de organizações de defesa dos direitos humanos, como advogados vítimas da repressão exercida sob a presidência de Fujimori contra as guerrilhas do Sendero Luminoso e do Movimento Revolucionário Tupac Amaru.

Manifestações de milhares de peruanos contrários ao perdão concedido a Fujimori decorreram em Lima e em outras cidades peruanas. Kuczynski viu-se confrontado com acusações de corrupção e uma ameaça de destituição.

O antigo Presidente de origem japonesa encontra-se desde 23 de dezembro numa clínica em Lima, onde foi hospitalizado de emergência com hipotensão e arritmias cardíacas. Foi no dia seguinte à sua hospitalização que Kuczynski concedeu o perdão.

Fujimori tinha sido condenado a 25 anos de prisão, nomeadamente pela responsabilidade numa operação antiterrorista durante a qual 25 pessoas, incluindo uma criança de oito anos, foram mortas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.