Pequim rejeita acusações de Trump sobre venda de petróleo a Pyongyang

China diz que "criar atritos, sem razão, através dos meios de comunicação social não contribui para o reforço da confiança mútua na cooperação"

A República Popular da China rejeitou hoje as acusações do presidente norte-americano, Donald Trump, sobre a suposta passagem de um petroleiro para a Coreia do Norte, violando as sanções das Nações Unidas.

"Criar atritos, sem razão, através dos meios de comunicação social não contribui para o reforço da confiança mútua na cooperação", disse a porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Hua Chunying.

A porta-voz transmitiu a posição de Pequim através da rede social Twitter quando foi questionada sobre as declarações de Donald Trump que afirmou que Pequim meteu a 'mão no saco' ao vender petróleo à Coreia do Norte.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.