Pentágono: Líder do Estado Islâmico "está vivo" e continua a liderar o grupo

"Estamos a fazer tudo o que podemos para o localizar e eliminar", disse o porta-voz do Pentágono, Peter Cook

O porta-voz do Pentágono disse hoje que o líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghadi, "está vivo" e continua a liderar o grupo extremista, apesar de os Estados Unidos "fazerem tudo" para o localizar e eliminar.

"Pensamos que Baghdadi está vivo e que continua a dirigir o grupo Estado Islâmico", disse Peter Cook numa entrevista à cadeia de televisão CNN, acrescentando: "Estamos a fazer tudo o que podemos para o localizar e eliminar. É algo a que consagramos muito tempo e aproveitaremos qualquer ocasião para lhe infligir a pena que merece".

Abu Bakr al-Baghdadi sempre agiu com grande discrição, contrariamente ao grupo que dirige, que multiplica as mensagens e vídeos de propaganda na Internet.

A sua cara apareceu apenas num vídeo do Estado Islâmico desde a proclamação do "califado" no Iraque e na Síria, em junho de 2014, vídeo que foi filmado em Mossul, bastião 'jihadista' no norte do Iraque.

No mês passado, Baghdadi divulgou uma mensagem áudio a apelar aos seus seguidores para defenderem Mossul, alvo de uma ofensiva do exército iraquiano desde outubro.

A sua morte foi anunciada por diferentes fontes várias vezes, mas sempre impossível de confirmar.

Responsáveis norte-americanos têm recusado fazer comentários sobre o paradeiro ou estado de saúde de Baghdadi, mas o porta-voz disse hoje estar convencido de que o "califa" está isolado, devido às pesadas baixas sofridas pelo grupo em consequência dos ataques da coligação internacional anti-'jihadista'.

"Ele tem dificuldade em encontrar conselheiros e confidentes com quem falar, porque muitos deles já não estão entre nós", disse.

A administração norte-americana subiu de 10 para 25 milhões de dólares a recompensa por informações que levem à captura do líder do Estado Islâmico.

A CNN noticiou na quinta-feira, citando um responsável norte-americano não identificado, que os Estados Unidos receberam "nas últimas semanas" informações sobre "movimentos" de Abu Bakr Al-Baghdadi.

A fonte não deu no entanto qualquer pormenor, nomeadamente sobre se as informações são relativas ao Iraque ou a Síria.

Segundo documentos oficiais iraquianos, Baghdadi nasceu em Samarra em 1971 e ter-se-á juntado à resistência que se formou depois da invasão liderada pelos EUA em 2003, tendo chegado a estar detido numa prisão norte-americana no Iraque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.