Veja o momento em que o sistema antimíssil interceta míssil balístico

Pentágono divulgou imagens do primeiro disparo de um sistema de defesa antiaéreo bem sucedido, destruindo um falso míssil balístico intercontinental no momento em que entrava na atmosfera.

O Departamento de Defesa divulgou nesta quarta-feira imagens com o momento exato de um "disparo mortífero" sobre um falso míssil balístico intercontinental quando entrava na atmosfera terrestre sobre o Oceano Pacífico.

O alvo estava concebido para replicar aquilo que poderia ser um engenho do arsenal da Coreia do Norte ou do Irão, e foi "completamente destruído", afirmou o vice-almirante Jim Syring, responsável da Agência de Defesa de Mísseis.

O teste teve um custo anunciado de 244 milhões de dólares (217 milhões de euros) e vão agora ser analisadas a trajetória do "veículo assassino" e do alvo para determinar o ponto exato deste último a ser atingido pelo míssil antimíssil. Mas, Syring, afirmou que "todos os sistemas funcionaram tal e qual para o que foram preparados" e o teste "foi muito realista".

O "veículo assassino" usa a energia cinética para destruir o alvo. É guiado até este por sensores internos e informação fornecida a partir do solo para calcular a trajetória do alvo e a velocidade necessária no momento de impacto para neutralizar o alvo. É lançado a partir de um míssil. A interceção foi iniciada uma hora antes do impacto, tendo o míssil sido lançado a partir da base de Vanderburg, na Califórnia; o veículo de teste foi lançado a partir de uma base americana nas Ilhas Marshalls.

O disparo é parte do programa conhecido pela sigla GMD (Ground-based Midcourse Defense, Defesa Terrestre de Médio Alcance), uma das componentes das defesa antimíssil dos EUA, que integra, entre outros, os sistemas THAAD e Aegis.

Ler mais

Exclusivos