Dois mortos e mais de 240 feridos em sismos no Irão

Múltiplos sismos atingiram região oeste do Irão. Balanço

Pelo menos duas pessoas morreram e mais de 240 ficaram feridas na sequência de múltiplos sismos que atingiram o oeste do Irão, informaram as autoridades iranianas em novo balanço.

De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos, depois do primeiro sismo de magnitude 6, a 26 quilómetros a sudoeste da cidade de Javanroud, na província de Kermanshah, seguiram-se mais dois sismos de magnitude 4,4 e 4,2, entre outros que se seguiram.

No anterior balanço, as autoridades iranianas apontaram um morto e cerca de 100 feridos.

Segundo a agência iraniana Tasnim, que citou fontes oficiais, o primeiro sismo na província de Kermanshah provocou a morte de um homem de 70 anos vítima de ataque cardíaco num hospital universitário na cidade de Novosbad.

A segunda vítima era uma mulher grávida, indicou a agência iraniana.

As autoridades locais afirmaram que a eletricidade encontra-se cortada em várias aldeias da província.

Já foi criado um centro de gestão de crises na cidade de Javanroud e os hospitais e instituições de caridade foram colocados em estado de alerta.

O Irão está localizado em duas importantes placas tectónicas e por isso as atividades sísmicas são frequentes.

Em novembro de 2017, um sismo de magnitude 7,3 matou 620 pessoas na província de Kermanshah, além de oito mortos no Iraque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.