Autor do ataque que matou uma pessoa em Munique já foi identificado

Indivíduo foi detido. Tem 27 anos, nacionalidade alemã e terá gritado "Allah akbar" (Deus é grande)

Um homem de 27 anos, armado com uma faca, matou esta terça-feira uma pessoa e feriu outras três numa estação de comboios de Munique, revelou o gabinete criminal da Baviera. Segundo a procuradoria alemã, citada pela AFP, a agressão teve uma aparente "motivação islamita". O indivíduo foi detido.

"O agressor fez declarações na cena do crime que indicam motivação política, aparentemente uma motivação islamita", referiu uma porta-voz da procuradoria. "Estamos ainda a determinar quais foram essas declarações". Segundo a imprensa alemã, que cita relatos de testemunhas, o atacante terá gritado em árabe "Allah akbar" (Deus é grande), mas esta informação não foi confirmada pelas autoridades.

O ataque ocorreu na estação de Grafing, a cerca de 30 quilómetros de Munique, pelas 05.00 locais, menos uma hora em Lisboa, altura em que começava o movimento de passageiros na estação.

De acordo com um comunicado das autoridades, a vítima mortal é um homem de 50 anos, que acabou por morrer no hospital. Os outros feridos são igualmente do sexo masculino e têm 58, 43 e 55 anos. Um estará em estado grave. A investigação foi entregue ao departamento criminal da Baviera e à procuradoria de Munique.

O ministro do Interior do estado alemão da Baviera, Joachim Hermann, já confirmou que o atacante tem nacionalidade alemã e identificou-o como Paul H., natural do estado de Hesse, no centro da Alemanha. Não há indícios de que tenha ascendência estrangeira. "No que diz respeito a outros fatores relacionados com o passado deste indivíduo, ou se o ataque teve a ver com questões de instabilidade mental ou consumo de drogas, ainda será necessário investigar", explicou o governante ao canal BR24,

O agressor terá atacado o primeiro passageiro a bordo do comboio, dirigindo-se depois para a plataforma da estação, onde atacou outra pessoa. Voltou a esfaquear mais dois homens já no exterior, quando estes chegavam ao local de bicicleta, revelou um porta-voz da polícia da Baviera.

A autarca de Grafing, que tem cerca de 13 mil habitantes, falou igualmente à imprensa alemã: Angelika Obermayr sublinhou o choque com que os locais receberam a notícia, garantindo que Grafing é "uma pequena cidade absolutamente pacífica na região de Munique". "Algo como isto é completamente novo e chocou profundamente as pessoas que, aqui, apenas sabem deste tipo de acontecimentos pela televisão".

A Alemanha, que tem tido um papel fulcral no combate ao Estado Islâmico, não sofreu ainda um atentado perpetrado por militantes extremistas à escala dos que aconteceram em Paris, no ano passado, ou Bruxelas, já este ano. No entanto, os serviços de segurança estão em alerta contínuo e o governo tem feito avisos repetidos sobre a possibilidade de um ataque.

Segundo a agência Reuters, mais de 800 radicais de nacionalidade alemã deixaram o país para se juntarem a grupos 'jihadistas' na Síria e no Iraque. Sabe-se que cerca de 260 terão regressado à Alemanha, cujo território serviu de passagem aos terroristas que estiveram por trás dos ataques em França e na Bélgica. Teme-se ainda que pelo menos um milhão de migrantes que chegaram ao país no ano passado tenham conseguido escapar aos registos das autoridades.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?