Autor do ataque que matou uma pessoa em Munique já foi identificado

Indivíduo foi detido. Tem 27 anos, nacionalidade alemã e terá gritado "Allah akbar" (Deus é grande)

Um homem de 27 anos, armado com uma faca, matou esta terça-feira uma pessoa e feriu outras três numa estação de comboios de Munique, revelou o gabinete criminal da Baviera. Segundo a procuradoria alemã, citada pela AFP, a agressão teve uma aparente "motivação islamita". O indivíduo foi detido.

"O agressor fez declarações na cena do crime que indicam motivação política, aparentemente uma motivação islamita", referiu uma porta-voz da procuradoria. "Estamos ainda a determinar quais foram essas declarações". Segundo a imprensa alemã, que cita relatos de testemunhas, o atacante terá gritado em árabe "Allah akbar" (Deus é grande), mas esta informação não foi confirmada pelas autoridades.

O ataque ocorreu na estação de Grafing, a cerca de 30 quilómetros de Munique, pelas 05.00 locais, menos uma hora em Lisboa, altura em que começava o movimento de passageiros na estação.

De acordo com um comunicado das autoridades, a vítima mortal é um homem de 50 anos, que acabou por morrer no hospital. Os outros feridos são igualmente do sexo masculino e têm 58, 43 e 55 anos. Um estará em estado grave. A investigação foi entregue ao departamento criminal da Baviera e à procuradoria de Munique.

O ministro do Interior do estado alemão da Baviera, Joachim Hermann, já confirmou que o atacante tem nacionalidade alemã e identificou-o como Paul H., natural do estado de Hesse, no centro da Alemanha. Não há indícios de que tenha ascendência estrangeira. "No que diz respeito a outros fatores relacionados com o passado deste indivíduo, ou se o ataque teve a ver com questões de instabilidade mental ou consumo de drogas, ainda será necessário investigar", explicou o governante ao canal BR24,

O agressor terá atacado o primeiro passageiro a bordo do comboio, dirigindo-se depois para a plataforma da estação, onde atacou outra pessoa. Voltou a esfaquear mais dois homens já no exterior, quando estes chegavam ao local de bicicleta, revelou um porta-voz da polícia da Baviera.

A autarca de Grafing, que tem cerca de 13 mil habitantes, falou igualmente à imprensa alemã: Angelika Obermayr sublinhou o choque com que os locais receberam a notícia, garantindo que Grafing é "uma pequena cidade absolutamente pacífica na região de Munique". "Algo como isto é completamente novo e chocou profundamente as pessoas que, aqui, apenas sabem deste tipo de acontecimentos pela televisão".

A Alemanha, que tem tido um papel fulcral no combate ao Estado Islâmico, não sofreu ainda um atentado perpetrado por militantes extremistas à escala dos que aconteceram em Paris, no ano passado, ou Bruxelas, já este ano. No entanto, os serviços de segurança estão em alerta contínuo e o governo tem feito avisos repetidos sobre a possibilidade de um ataque.

Segundo a agência Reuters, mais de 800 radicais de nacionalidade alemã deixaram o país para se juntarem a grupos 'jihadistas' na Síria e no Iraque. Sabe-se que cerca de 260 terão regressado à Alemanha, cujo território serviu de passagem aos terroristas que estiveram por trás dos ataques em França e na Bélgica. Teme-se ainda que pelo menos um milhão de migrantes que chegaram ao país no ano passado tenham conseguido escapar aos registos das autoridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.