Bombista suicida mata oito pessoas em reunião religiosa em Cabul

No encontro, o conselho tinha declarado que "os ataques suicidas são considerados 'haram': proibidos de acordo com as leis islâmicas".

Pelo menos oito pessoas morreram num atentado suicida que atingiu hoje um centro religioso na capital do Afeganistão. A explosão ocorreu após um encontro em que os ataques suicidas foram considerados haram, atos considerados proibidos por Alá.

Ghafor Aziz, chefe do 5.º Distrito da Polícia de Cabul, disse à agência Associated Press que a explosão foi provocada por um bombista suicida e atingiu o acesso principal das instalações do Conselho de Ulemas Afegão, um centro religioso na capital do Afeganistão.

Até ao momento o atentado ainda não foi reivindicado. Mas reforça o sentimento de deterioração de segurança no caminho para as eleições parlamentares e distritais, previstas para 20 de outubro.

Cerca de dois mil membros do concelho de Ulemas encontravam-se reunidos nas instalações para a Loya Jirga (grande conselho), onde tinha sido montada uma tenda tradicional para a habitual reunião de anciãos.

Antes do atentado, o conselho tinha declarado que "os ataques suicidas são considerados 'haram': proibidos de acordo com as leis islâmicas". Segundo a Reuters, planeavam emitir uma fatwa (decisão religiosa) a exigir aos talibãs que restaurem a paz, permitindo a saída das tropas estrangeiras do país.

O atentado surpreendeu os participantes, no final da reunião, no momento em que se preparavam para abandonar o local.

"Houve pânico após a explosão", disse um responsável de segurança à Reuters, avisando que o balanço de mortos poderá aumentar.

O conselho de Ulemas, inclui imãs, professores e autoridades religiosas e legislativas de todo o país e que se reuniram hoje na capital.

O conselho tinha feito um apelo às forças governamentais afegãs e aos talibãs para terminarem com combates no sentido de alcançarem um cessar-fogo. Os talibãs, derrubados pela invasão liderada pelos EUA em 2001, querem que o Afeganistão regresse a uma lei islâmica mais rigorosa.

Dezenas de pessoas morreram numa série de atentados em Cabul nos últimos meses e as explosões não parecem ter acalmado neste mês sagrado do Ramadão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.