Bombista suicida mata oito pessoas em reunião religiosa em Cabul

No encontro, o conselho tinha declarado que "os ataques suicidas são considerados 'haram': proibidos de acordo com as leis islâmicas".

Pelo menos oito pessoas morreram num atentado suicida que atingiu hoje um centro religioso na capital do Afeganistão. A explosão ocorreu após um encontro em que os ataques suicidas foram considerados haram, atos considerados proibidos por Alá.

Ghafor Aziz, chefe do 5.º Distrito da Polícia de Cabul, disse à agência Associated Press que a explosão foi provocada por um bombista suicida e atingiu o acesso principal das instalações do Conselho de Ulemas Afegão, um centro religioso na capital do Afeganistão.

Até ao momento o atentado ainda não foi reivindicado. Mas reforça o sentimento de deterioração de segurança no caminho para as eleições parlamentares e distritais, previstas para 20 de outubro.

Cerca de dois mil membros do concelho de Ulemas encontravam-se reunidos nas instalações para a Loya Jirga (grande conselho), onde tinha sido montada uma tenda tradicional para a habitual reunião de anciãos.

Antes do atentado, o conselho tinha declarado que "os ataques suicidas são considerados 'haram': proibidos de acordo com as leis islâmicas". Segundo a Reuters, planeavam emitir uma fatwa (decisão religiosa) a exigir aos talibãs que restaurem a paz, permitindo a saída das tropas estrangeiras do país.

O atentado surpreendeu os participantes, no final da reunião, no momento em que se preparavam para abandonar o local.

"Houve pânico após a explosão", disse um responsável de segurança à Reuters, avisando que o balanço de mortos poderá aumentar.

O conselho de Ulemas, inclui imãs, professores e autoridades religiosas e legislativas de todo o país e que se reuniram hoje na capital.

O conselho tinha feito um apelo às forças governamentais afegãs e aos talibãs para terminarem com combates no sentido de alcançarem um cessar-fogo. Os talibãs, derrubados pela invasão liderada pelos EUA em 2001, querem que o Afeganistão regresse a uma lei islâmica mais rigorosa.

Dezenas de pessoas morreram numa série de atentados em Cabul nos últimos meses e as explosões não parecem ter acalmado neste mês sagrado do Ramadão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.