Pelo menos dois mortos em sismo na ilha indonésia de Lombok

Nos últimos 20 anos, 460 pessoas morreram e mais de dez mil ficaram feridas na sequência dos sismos no sul do país

Pelo menos duas pessoas morreram na sequência do sismo, que abalou no domingo a ilha indonésia de Lombok, anunciou hoje a agência de Mitigação de Desastres do país.

Uma pessoa morreu em Lombok e outra na ilha vizinha de Sumbawa, quando as suas casas se desmoronaram, disse o porta-voz da agência Sutopo Purwo Nugroho, na sua conta oficial da rede Twitter.

"Muitas casas ficaram danificadas", afirmou Sutopo Purwo Nugroho, acrescentando que grande parte da ilha continua sem eletricidade.

O epicentro do sismo, de magnitude de 6,9 na escala de Richter, situou-se a cinco quilómetros a sul da cidade de Belanting, no nordeste da ilha.

De acordo com as autoridades indonésias, 460 pessoas morreram e mais de dez mil ficaram feridas nos vários sismos registados nos últimos 20 dias em Lombok, no sul do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.