Pelo menos dois mortos em sismo na ilha indonésia de Lombok

Nos últimos 20 anos, 460 pessoas morreram e mais de dez mil ficaram feridas na sequência dos sismos no sul do país

Pelo menos duas pessoas morreram na sequência do sismo, que abalou no domingo a ilha indonésia de Lombok, anunciou hoje a agência de Mitigação de Desastres do país.

Uma pessoa morreu em Lombok e outra na ilha vizinha de Sumbawa, quando as suas casas se desmoronaram, disse o porta-voz da agência Sutopo Purwo Nugroho, na sua conta oficial da rede Twitter.

"Muitas casas ficaram danificadas", afirmou Sutopo Purwo Nugroho, acrescentando que grande parte da ilha continua sem eletricidade.

O epicentro do sismo, de magnitude de 6,9 na escala de Richter, situou-se a cinco quilómetros a sul da cidade de Belanting, no nordeste da ilha.

De acordo com as autoridades indonésias, 460 pessoas morreram e mais de dez mil ficaram feridas nos vários sismos registados nos últimos 20 dias em Lombok, no sul do país.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.