Pelo menos dois mortos e 65 feridos no sismo do Peru

O sismo ocorreu às 04:18 horas (09:18 em Lisboa) na região de Arequipa, sul do Peru, com uma magnitude entre os 6,8 e os 7,3 graus na escala de Richter, consoante as fontes

Pelo menos duas pessoas morreram e 65 outras ficaram feridas no forte sismo que se fez sentir hoje de manhã no sul do Peru, informaram fontes oficiais.

O sismo ocorreu às 04:18 horas (09:18 em Lisboa) na região de Arequipa, sul do Peru, com uma magnitude entre os 6,8 e os 7,3 graus na escala de Richter, consoante as fontes.

O chefe do Instituto Nacional de Defesa Civil (Indeci) do Peru, Jorge Chávez, declarou à emissora RPP Noticias que as mortes ocorreram nas localidades de Yauca e Bella Unión. Já os feridos registaram-se nas províncias de Caravelí e Nazca, na região de Ica.

Inicialmente, o Centro de Alertas de Tsunamis do Pacífico, entidade norte-americana, emitiu um alerta de maremoto para certas zonas da costa do Peru e do Chile. No entanto, retirou o alerta poucos minutos depois.

O instituto norte-americano - que falou num sismo de magnitude 7,3 - dava conta da "previsão de ondas de tsunami perigosas para algumas costas".

Em causa estavam ondas 30 centímetros a um metro acima do nível da maré que podem chegar a algumas costas do Peru. Para o Chile o nível acrescido das ondas seria inferior a 30 centímetros.

O Centro de Alertas especifica que um tsunami é uma série de ondas que podem surgir intervaladas de cinco minutos a uma hora, pelo que o perigo "pode subsistir muitas horas depois da onda inicial".

O impacto das ondas pode variar muito de acordo com o perfil da costa e o estado da maré no momento do impacto das maiores ondas.

Ainda assim, avisa que "as pessoas apanhadas pelas ondas do tsunami podem afogar-se, ser esmagadas por detritos na água ou ser arrastadas para o mar".

Já o instituto de geofísica norte-americano (USGS) informou hoje sobre um sismo de magnitude 7,3 na escala Richter, a 42 quilómetros a su-sudoeste de Acari às 9:18 (hora de Lisboa), a uma profundidade de 12,1 quilómetros.

No entanto, horas depois corrigiu em baixa a magnitude do tremor de terra, para 7,1 graus Richter. Também corrigiu a profundidade do epicentro, para 36 quilómetros abaixo da superfície.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.