Pelo menos 68 mortos em atentado na terça-feira no Afeganistão

O balanço inicial dava conta de 19 mortos e 50 feridos

Pelo menos 68 pessoas morreram na terça-feira no leste do Afeganistão, no atentado suicida contra manifestantes, de acordo com um novo balanço das autoridades da província de Nangarhar.

De acordo com Ataullah Khogyani, porta-voz do governador da província, 68 pessoas morreram e 165 ficaram feridas, quando um bombista suicida fez explodir a sua carga no meio de manifestantes, a cerca de 70 quilómetros da cidade de Jalalabad.

O diretor dos serviços de Saúde da província, Najibullah Kamawal, confirmou o novo balanço do atentado, que ainda não foi reivindicado por qualquer grupo rebelde. O grupo extremista Estado Islâmico e os talibãs estão ativos nesta região.

O balanço inicial dava conta de 19 mortos e 50 feridos.

Segundo o comandante da polícia na província, o general Ghulam Sanayee Stanikzai, dezenas de pessoas em protesto bloquearam a principal estrada entre a capital provincial, Jalalabad, e a localidade de Torkham, na fronteira com o Paquistão.

O responsável precisou que o protesto era contra um comandante policial local.

O ataque não foi reivindicado até ao momento.

Este é o segundo atentado mais mortífero desde o início do ano no Afeganistão. O ataque mais mortífero remonta ao final de janeiro passado quando uma ambulância armadilhada explodiu no centro de Cabul, causando mais de 100 mortos e 235 feridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.