Pelo menos 30 pessoas morreram em acidente de autocarro no Peru

No veículo viajavam pelo menos 15 crianças, ainda que se desconheça o número total de passageiros

Pelo menos 30 pessoas morreram e outras 17 ficaram gravemente feridas hoje depois de um autocarro de passageiros virar e cair na região de Arequipa, no sul do Peru, informaram fontes oficiais.

O acidente aconteceu durante a madrugada de hoje no quilómetro 780 da autoestrada Pan-americana, perto da ponte de Oconã, na localidade de Camaná.

A responsável do Departamento de Defesa Nacional e Civil do Governo Regional de Arequipa, Jacqueline Choque, informou ao canal de televisão N que os mortos são pelo menos 30. Entretanto, fontes da Polícia Nacional indicaram que as vítimas mortais chegariam a 36 pessoas.

O Presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, disse que as autoridades ativaram de imediato todos os protocolos para atender esta emergência, numa mensagem publicada na sua conta oficial no Twitter.

"As minhas condolências aos familiares das vítimas do acidente de trânsito em Arequipa. Desde o ocorrido, foram ativados todos os procedimentos para o apoio imediato de resgate e trasladação das vítimas a centros de saúde mais próximos para receber cuidados médicos", assinalou ainda o Presidente.

Segundo as informações obtidas, o autocarro caiu, ainda por razões desconhecidas, numa curva apertada da estrada para um abismo de cerca de 200 metros, chegando quase as margens do rio Oconã.

No veículo viajavam pelo menos 15 crianças, ainda que se desconheça o número total de passageiros, já que foram recolhidas outras pessoas no trajeto do autocarro.

No local já estão grupos de bombeiros voluntários, a polícia nacional e equipas médicas, que instalaram uma ponte aérea para trasladar os feridos de maior gravidade até aos hospitais das províncias próximas.

A governadora da região, Yamila Osorio, transmitiu numa mensagem de condolências pelo Twitter as famílias das vítimas e também informou que o Centro de Operações de Emergência Regional (COER) "está a trabalhar desde a madrugada, coordenando o traslado e atendendo aos feridos".

Lus/fim

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.