Pelo menos 30 pessoas morreram em acidente de autocarro no Peru

No veículo viajavam pelo menos 15 crianças, ainda que se desconheça o número total de passageiros

Pelo menos 30 pessoas morreram e outras 17 ficaram gravemente feridas hoje depois de um autocarro de passageiros virar e cair na região de Arequipa, no sul do Peru, informaram fontes oficiais.

O acidente aconteceu durante a madrugada de hoje no quilómetro 780 da autoestrada Pan-americana, perto da ponte de Oconã, na localidade de Camaná.

A responsável do Departamento de Defesa Nacional e Civil do Governo Regional de Arequipa, Jacqueline Choque, informou ao canal de televisão N que os mortos são pelo menos 30. Entretanto, fontes da Polícia Nacional indicaram que as vítimas mortais chegariam a 36 pessoas.

O Presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, disse que as autoridades ativaram de imediato todos os protocolos para atender esta emergência, numa mensagem publicada na sua conta oficial no Twitter.

"As minhas condolências aos familiares das vítimas do acidente de trânsito em Arequipa. Desde o ocorrido, foram ativados todos os procedimentos para o apoio imediato de resgate e trasladação das vítimas a centros de saúde mais próximos para receber cuidados médicos", assinalou ainda o Presidente.

Segundo as informações obtidas, o autocarro caiu, ainda por razões desconhecidas, numa curva apertada da estrada para um abismo de cerca de 200 metros, chegando quase as margens do rio Oconã.

No veículo viajavam pelo menos 15 crianças, ainda que se desconheça o número total de passageiros, já que foram recolhidas outras pessoas no trajeto do autocarro.

No local já estão grupos de bombeiros voluntários, a polícia nacional e equipas médicas, que instalaram uma ponte aérea para trasladar os feridos de maior gravidade até aos hospitais das províncias próximas.

A governadora da região, Yamila Osorio, transmitiu numa mensagem de condolências pelo Twitter as famílias das vítimas e também informou que o Centro de Operações de Emergência Regional (COER) "está a trabalhar desde a madrugada, coordenando o traslado e atendendo aos feridos".

Lus/fim

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?