Ataque mata pelo menos 30 crianças

Pelo menos 36 pessoas morreram num ataque das forças aéreas afegãs na província de Kunduz, anunciou esta segunda-feira a missão da ONU no Afeganistão

Pelo menos 36 pessoas, 30 das quais crianças, morreram no dia 2 de abril num bombardeamento das forças aéreas afegãs na província de Kunduz (norte), segundo um relatório hoje divulgado pela missão da ONU no Afeganistão (Unama).

O relatório, segundo o qual outras 71 pessoas ficaram feridas no ataque, diz que a 2 de abril helicópteros da aviação afegã lançaram uma operação aérea contra a localidade de Laghmani, no distrito de Dasht-e-Archi, em que usaram mísseis e metralhadoras pesadas durante uma cerimónia religiosa junto a uma madraça ou escola corânica.

A missão da ONU afirma que recebeu "informação credível" de que o bombardeamento fez pelo menos 122 vítimas (38 mortos e 84 feridos), provocando a morte de 30 crianças

"A 7 de maio, a Unama registou 107 vítimas (36 mortos e 71 feridos) (...) das quais 81 eram crianças (30 mortos e 51 feridos)", disse a ONU no relatório, que tem por base 90 entrevistas a vítimas, testemunhas, funcionários e pessoal médico, e uma missão de reconhecimento do local, entre outras fontes.

A missão da ONU afirma, no entanto, que recebeu "informação credível" de que o bombardeamento fez pelo menos 122 vítimas (38 mortos e 84 feridos), provocando a morte de 30 crianças e ferindo outras 57.

"A Unama adverte que as cifras apresentadas neste relatório podem não ser exaustivas devido às exigentes referências de verificação e às dificuldades para conseguir a informação", acrescenta o relatório.

O Governo afegão anunciou a 2 de abril a morte de 45 rebeldes num bombardeamento contra uma reunião de rebeldes em Dasht-e-Archi.

Segundo a ONU, 3.438 civis morreram e 7.015 ficaram feridos no Afeganistão no ano passado, em resultado do conflito

No entanto, denúncias de que o bombardeamento teria sido contra uma madraça e notícias de crianças atendidas nos hospitais da capital provincial, Kunduz, levaram a Unama e o Governo afegão a abrirem investigações.

Mais tarde, o Governo reconheceu um número indeterminado de baixas civis, mas disse terem sido vítimas de disparos dos rebeldes e não de fogo dos helicópteros militares.

Segundo a Unama, 3.438 civis morreram e 7.015 ficaram feridos no Afeganistão no ano passado, em resultado do conflito, números ligeiramente inferiores às 11.434 vítimas de 2016 (3.510 mortos e 7.924 feridos).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.