Desmoronamento na bolsa de Jacarta provoca 72 feridos

O desmoronamento do pavimento do primeiro piso do edifício da bolsa de Jacarta, que veio a tombar sobre o piso de entrada, causou ferimentos em, pelo menos, 72 pessoas, ficando algumas delas em estado grave.

Uma porta-voz de um hospital em Jacarta disse que a gravidade dos ferimentos sofridos por 72 pessoas ainda estava a ser avaliada, mas outras fontes, citadas pelas agências internacionais, indicavam que alguns dos feridos apresentavam escoriações graves.

Imagens da MetroTV mostravam a entrada da bolsa cheia de destroços e pessoas a saírem com ajuda do edifício.

Um porta-voz da polícia da capital indonésia Argo Yuwono afirmou que o edifício estava a ser evacuado, acrescentando que a causa do acidente ainda não é conhecida.

Setyo Wasisto, porta-voz da polícia nacional, disse que a estrutura era parte do primeiro andar da torre número dois do complexo da bolsa. O mesmo porta-voz indicou estar-se perante um acidente, nada indicando tratar-se de uma explosão acidental ou até de um ataque terrorista.

O normal funcionamento das operações não foi afectada, disse fonte da bolsa citada pela BBC.

Jacarta já foi no passado alvo de vários atentados terroristas, visando nomeadamente locais, como hotéis. Mas a bolsa da capital indonésia também foi alvo de um ataque, em setembro de 2000, três dias após o 11 de setembro, reivindicado pela Jemaah Islamamiyah, ligada à Al-Qaeda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.