Pelo menos 22 mortos numa explosão em catedral copta no Cairo

Outras 35 pessoas ficaram feridas

Uma explosão na principal catedral copta no Cairo matou hoje, pelo menos, 22 pessoas, de acordo com a televisão estatal egípcia, depois de os primeiros dados terem dado conta de cinco vítimas mortais.

A explosão, que ocorreu pelas 10:00 locais (08:00 em Lisboa), perto da Catedral de São Marcos - sede da Igreja Ortodoxa Copta - ainda não foi reivindicada e terá também causado mais de 10 feridos, segundo informações difundidas pela agência estatal de notícias.

Essas mesmas informações indicavam que a bomba teria sido arremessada para dentro de uma capela adjacente à catedral.

Na sexta-feira, seis polícias foram mortos num atentado à bomba na capital egípcia, reivindicado por um grupo suspeito pelas autoridades de ter ligações à Irmandade Muçulmana.

Os cristãos coptas constituem cerca de 10% da população do Egito e têm enfrentado perseguições e discriminação, sobretudo nos 30 anos de presidência de Hosni Mubarak, removido do poder em 2011.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.