Pelo menos 20 mortos em ataque do Estado Islâmico a santuário xiita na Síria

Dois bombistas suicidas fizeram-se explodir

Pelo menos 20 pessoas morreram depois de bombistas suicidas se fazerem explodir perto de um templo xiita nas proximidades da capital da Síria, num ataque já reivindicado pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI).

A agência de notícias oficial Sana referiu que os dois suicidas, um deles num carro, atacaram na entrada do santuário de Sayyida Zeinab, que é reverenciado pelos xiitas em todo o mundo.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) divulgou que pelo menos 20 pessoas foram mortas, incluindo 13 civis, e mais de 30 ficaram feridas nas explosões.

Já a agência de notícias Sana afirmou que pelo menos 12 pessoas foram mortas e outras 55 ficaram feridas.

O ataque foi reivindicado através da agência de notícias Amaq, que divulga os comunicados do EI, referindo ainda que o atentado foi realizado por três bombistas suicidas.

O santuário, que fica a cerca de 10 quilómetros ao sul do centro de Damasco, é fortemente vigiado por forças pró-Governo, mas tem sido alvo de vários ataques 'jihadistas'.

O canal de televisão oficial Al-Ikhbariya da Síria mostrou imagens de carros queimados e cobertos por fumo negro nas proximidades do santuário.

Nos últimos meses, o santuário foi atacado outras vezes pelo EI, deixando centenas de mortos e feridos, a maioria civis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.