Pelo menos 13 mortos em sismo nas ilhas indonésias de Lombok e Sumbawa

O sismo, de intensidade 6,9 na escala de Richter, teve o seu epicentro a sul da cidade de Belating, no nordeste da ilha

Pelo menos 13 pessoas morreram na sequência de vários sismos que abalaram, no domingo, as ilhas indonésias de Lombok e Sumbawa, indicou hoje um novo balanço das autoridades locais.

O sismo de magnitude 6,9 na escala Richter foi um dos vários registados no nordeste de Lombok, onde se verificaram também aluimentos de terra.

Pelo menos 11 pessoas morreram em Lombok e duas na ilha vizinha de Sumbawa, devido ao desmoronamento de casas ou vítimas de ataque cardíaco, afirmou o porta-voz da agência de Mitigação de Desastres do país, Sutopo Purwo Nugroho.

Mais de 1.800 casas ficaram danificadas, acrescentou o porta-voz.

O epicentro do sismo, de magnitude de 6,9 na escala de Richter, situou-se a cinco quilómetros a sul da cidade de Belanting, no nordeste da ilha.

De acordo com as autoridades indonésias, mais de 460 pessoas morreram e mais de dez mil ficaram feridas nos vários sismos registados nos últimos 20 dias em Lombok, no sul do país.

A Indonésia assenta sobre o chamado "Anel de Fogo do Pacífico", uma zona de grande atividade sísmica e vulcânica, que regista cerca de sete mil abalos sísmicos por ano, a maioria dos quais moderados.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.