Pelo menos 11 mortos em atentado na Síria

Registaram-se duas explosões, a primeira causada por um suicida com um cinto de explosivos e a segunda por um carro armadilhado

Pelo menos 11 pessoas morreram hoje num atentado no bairro de Al Zahra, de maioria alauita, a que pertence o Presidente sírio, Bashar al-Assad, na cidade de Homs, no centro da Síria, informaram os media oficiais e ativistas.

A agência de notícias estatal Sana indicou que houve uma "explosão terrorista" contra um posto de segurança na rua Al Nil, em Al Zahra, onde pelo menos 11 pessoas morreram, incluindo vários civis e efetivos das forças de segurança.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) indicou que foram duas as explosões: a primeira foi gerada por um suicida com um cinto de explosivos e a segunda por um carro armadilhado.

A ONG reduziu o número de vítimas mas não indicou números.

Esta não foi a primeira vez que Al Zahra é alvo de um ataque deste tipo: no passado dia 28 de dezembro, 32 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas num duplo atentado neste bairro de Homs.

Há quase cinco anos que a Síria é palco de um conflito que já causou a morte de mais de 260.000 pessoas, segundo Observatório.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.